O ministro da Economia grego, Georges Stathakis, afirmou, este domingo, que chegar a acordo com os credores europeus e do Fundo Monetário Internacional (FMI) é “a única via” para o país. Atenas e as instituições credoras (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI) estão a ter dificuldades em chegar a um acordo sobre o financiamento do país, após meses de negociações.

“A conclusão de um acordo é a única via, não há outra possibilidade”, indicou o ministro. “Caso contrário, sobretudo a Grécia, mas também a União Europeia vão entrar em território desconhecido”, considerou, em declarações publicadas no jornal Realnews.

Os credores exigem reformas para que seja desbloqueada a tranche de 7,2 mil milhões de euros do empréstimo concedido em 2012. O Governo grego liderado pelo Syriza (esquerda radical) diz que quer aliviar a austeridade imposta ao país nos últimos anos e tem recusado reformas que impliquem novos cortes. Apesar das divergências, as duas partes assinalaram avanços nos últimos dias.

“Queremos concluir o acordo para garantir os fundos necessários, que nos permitam cumprir as nossas obrigações tanto no país como no estrangeiro”, apontou Georges Stathakis.

O ministro disse também que o país vai “honrar as suas dívidas” e cumprir o pagamento de 300 milhões de euros ao FMI previsto para o próximo dia 5. O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, manteve conversações, por telefone, na quinta-feira com a chanceler alemã, Angela Merkel, e com o presidente francês, François Hollande.