Rádio Observador

NSA

EUA param vigilância em massa, Obama fala de “irresponsabilidade”

Vigência da Lei Patriota, ou Patriot Act, terminou esta noite e Senado aprovou nova lei que restringe a acumulação de dados. Casa Branca diz que se trata de um ato de “irresponsabilidade".

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

O Senado norte-americano aprovou hoje um projeto de lei que acaba com a recolha em massa de dados dos cidadãos, mas mantem as restantes disposições da Lei Patriota, cuja vigência terminou esta noite. A Casa Branca acusou o Senado norte-americano pela falha “irresponsável” ao não evitar uma interrupção das cruciais operações de vigilância antiterrorismo e afirmou esperar que o problema seja rapidamente corrigido.

Apelamos ao Senado para que garanta que este lapso [temporal] irresponsável seja tão curto quanto possível”, afirmou o porta-voz da Casa Branca Josh Earnest em comunicado.

A câmara alta do Congresso dos Estados Unidos aprovou, esta noite, um projeto de lei que acaba com o controverso programa de recolha massiva de dados dos cidadãos, mas mantém as restantes disposições da Lei Patriota, cuja vigência cessa hoje uma vez não sendo votada a sua continuidade.

Conhecida como a Lei da Liberdade dos Estados Unidos, o texto reuniu os 60 votos necessários para continuar com o processo, cuja derradeira votação deveria acontecer até ao final do dia de hoje, para que as ferramentas de vigilância antiterrorista em vigor não ficassem congeladas com a expiração do diploma.

Porém, o Senado fracassou em terminar o processo a tempo, pelo que a Casa Branca veio apelar para que assegure que a ausência de autorização para a recolha de dados de conversações telefónicas dure o “menos tempo possível”.

O senador e candidato presidencial Rand Paul ameaçou desde logo atrasar a votação, fazendo uso da palavra de maneira indefinida, para forçar, desta forma, a perda de vigência da lei, a qual tem de ser sancionada pelo Presidente norte-americano, Barack Obama, para entrar em vigor.

Rand Paul opôs-se sempre a que a Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA na sua sigla em inglês) utilize este tipo de ferramentas que, no seu entender, viola as liberdades e o direito à privacidade das pessoas.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, que no ano passado instou a uma reforma abrangente do programa de recolha massiva de dados, que foi exposto em 2013 por Edward Snowden, apoia a Lei da Liberdade dos Estados Unidos.

Este diploma, que passou na Câmara dos Representantes este mês, superou um obstáculo processual no domingo, quando o Senado se reuniu numa sessão de emergência na tentativa de evitar um interregno nas operações de segurança nacional.

Este encontro foi marcado somente para abordar a questão da recolha de dados, depois de na semana passada não ter sido alcançado um acordo sobre a lei de vigilância e não terem sido reunidos os apoios necessários para evitar que esta noite expirasse.

A Casa Branca tinha advertido que todos os servidores da NSA que recolhem meta-dados das conversas telefónicas norte-americanas (hora, duração, número marcado) deixariam de funcionar às 00:01 locais (05:01 em Lisboa) se o Senado norte-americano não prolongasse a autorização legal do programa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brasil

Em nome do Brasil, peço desculpas /premium

Ruth Manus

Não, eu não elegi este governo. Mas o meu país o fez. Parte por acreditar na política do ódio, parte por ignorância, parte por ser vítima das tantas fake news produzidas ao longo do processo eleitoral

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)