Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A notícia é avançada pela CNN. Os soldados do Comando Militar de Guangzhou recuperaram mais um corpo do navio Dongfangzhixing (Estrela do Oriente) que naufragou terça-feira na China. O cadáver é o de uma menina de três anos, mas só foi possível recuperá-lo uma vez erguido o navio, uma operação concluída este sábado. A dificultar o trabalho de resgate está o vento e a forte chuva. No local estão 50 barcos, três mil operacionais, dos quais mais de 100 mergulhadores. O primeiro-ministro chinês também já visitou o local.

O navio com 458 pessoas a bordo naufragou no rio Yangtze. Até ao momento apenas 15 pessoas foram resgatadas com vida, segundo a BBC, e 396 já cadáver. Há ainda 46 corpos desaparecidos.

Logo após o naufrágio, o comandante e o engenheiro-chefe, que foram resgatados juntamente com outras seis pessoas, afirmaram que o barco afundou rapidamente depois de ter sido atingido por um ciclone. Ambos se encontram neste momento detidos para interrogatório. Zhang Zuqiang, alto funcionário da Administração Meteorológica chinesa, disse ao jornal Beijing News que não acreditava na teoria do comandante.

O navio de 76 metros fazia a ligação entre Nanjinh, capital da província de Jiangsu, no leste da China, e a cidade de Chongqing, no sudoeste, uma distância de cerca de 1.500 quilómetros. A bordo seguiam 406 passageiros – maioritariamente turistas entre os 50 e os 80 anos, cinco trabalhadores de agências de viagens e 47 tripulantes. Na altura do naufrágio, a maior parte dos viajantes estaria a dormir.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR