Rádio Observador

Mutilação Genital Feminina

Meninas residentes em Portugal em risco de serem sujeitas à mutilação podem ultrapassar as mil

Mais de 1.000 meninas residentes em Portugal podem estar em risco de serem sujeitas à prática de mutilação genital feminina, de acordo com um estudo europeu.

MARIO CRUZ/LUSA

Mais de mil das quase seis mil meninas residentes em Portugal que integram comunidades que praticam a mutilação genital feminina (MGF) podem estar em risco de serem sujeitas à prática, conclui um estudo europeu. Juntamente com Irlanda e Suécia, Portugal é um dos países-piloto do estudo “Estimativa das meninas em risco de mutilação genital feminina na União Europeia”, realizado pelo Instituto Europeu para a Igualdade de Género (EIGE) e que é apresentado em Lisboa esta terça-feira.

Segundo a pesquisa, a taxa de risco das meninas até 18 anos residentes em Portugal (tendo ou não nascido no país) e pertencentes a comunidades que mantêm uma prática com efeitos físicos e psicológicos permanentes é de 5 a 23% – correspondentes a 292 e 1342 meninas. As taxas de risco na Irlanda e na Suécia são menores do que a portuguesa, 1 a 11 e 3 a 19%, respetivamente, embora, no segundo país, o número de meninas potencialmente sujeitas seja bastante mais elevado.

No estudo, o EIGE desenvolve uma metodologia que alia dados quantitativos e qualitativos. “Estimar o número de meninas em risco de MGF pode ser muito útil para os decisores políticos, não só para planearem e adotarem políticas de asilo e migrações, mas também medidas e atividades de integração social”, assinala, em comunicado, Virginija Langbakk, diretora daquela agência da Comissão Europeia.

No mesmo comunicado, a secretária de Estado para os Assuntos Parlamentares e a Igualdade, Teresa Morais, que acolherá a sessão de apresentação do estudo, que decorre esta terça-feira, durante todo o dia, na Fundação Champalimaud, assinala “os esforços que Portugal tem feito para determinar o número de meninas em risco”. A abordagem do estudo baseia-se num “trabalho mais aproximado com as comunidades envolvidas, em linha com os objetivos e os avanços que Portugal tem feito através do Plano de Ação”, destaca.

No estudo, o EIGE reconhece a “dificuldade em estimar o exato número de meninas em risco de MGF” e, por isso, apela a que os resultados sejam “interpretados com muita cautela”, evitando “a estigmatização das comunidades imigrantes” e garantindo a inclusão das vítimas. Por outro lado, o EIGE vinca que importa também que os Estados-membros tenham estimativas do número de meninas e mulheres já sujeitas à MGF que vivam nos seus territórios, de forma a “responder às suas necessidades”, por exemplo disponibilidades “serviços especializados”. A “eficácia” das estratégias de prevenção e a cooperação entre os decisores políticos e as comunidades envolvidas são consideradas fatores determinantes para combater a prática.

Realizado entre junho e dezembro de 2014, o estudo indica que, até julho de 2014, só cinco Estados-membros tinham estimativas de risco: Itália, Alemanha, Holanda, Reino Unido e Bélgica (apenas este tem repetido o estudo de prevalência ao longo do tempo).

O EIGE identifica legislações específicas sobre MGF em 13 Estados-membros e louva que “um crescente número” de países esteja a “melhorar o enquadramento legal e político”, reconhecendo, porém, que ainda são poucos os que têm planos de ação sobre a prática (entre os quais Portugal). A maioria também ainda não tem medidas de proteção de menores especificamente relacionadas com a MGF, ainda que as gerais possam ser aplicadas a estes casos.

No que à notificação de casos diz respeito, apenas Bélgica e Suécia dispõem de provisões legais específicas para a prática ou a tentativa de MGF, mas as provisões gerais existentes na maioria dos países podem ser aplicadas, na base da proteção das vítimas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)