Energia Renovável

Ser cliente e ao mesmo tempo investir na energia renovável

188

A proposta da cooperativa Coopérnico no mercado elétrico é assegurar uma oferta verde aos clientes, mas também dar a oportunidade para investir na energia renovável.

A produção da Coopérnico está focada no fotovoltaico

PAULO CUNHA/LUSA

É um defensor convicto das energias renováveis? Há uma solução no mercado liberalizado que permite ser cliente e investidor em produção renovável.

A Coopérnico é uma cooperativa que começou na miniprodução de energia renovável do modo fotovoltaico. Os associados subscrevem três quotas de 20 euros (num total de 60) euros e ficam vinculados a uma entidade que promove a produção e a venda à rede de eletricidade verde. Os associados podem ainda investir nos projetos de geração explorados por esta cooperativa e receber uma remuneração pelo seu investimento.

O desafio deste projeto é agora de dar o salto para a comercialização de eletricidade de origem verde. A oferta está disponível desde o dia 22 de junho e, segundo o presidente da Coopérnico, Nuno Brito Jorge, garante preços competitivos, que estão atualmente entre os mais baixos apenas para o fornecimento de eletricidade. Os preços são disponibilizados em euros por kilowatt/hora, e não por desconto à tarifa, e há opções bi-horária e tri-horária. O objetivo é manter as atuais ofertas até final do ano, mas dependerá da revisão trimestral de tarifas feita pelo regulador, admite o responsável. Para poder aceder à oferta é necessário ser-se cooperante.

O principal fator de diferenciação não é tanto o preço, mas o compromisso com a sustentabilidade. Mas como é possível garantir aos clientes que estão efetivamente a comprar a consumir eletricidade produzida por via renovável?

Isso é impossível de assegurar de forma literal, uma vez que a energia quando entra na rede é toda igual, deixando de ser relevante a sua origem. No entanto, a Coopérnico assume o compromisso com uma postura sustentável junto dos seus clientes, que pode ser concretizado através de várias formas: Por um lado, há o objetivo produzir e vender mais energia do que a consumida pelos seus clientes. E quando isso não for possível, a entidade compromete-se a comprar certificados verdes emitidos por empresas renováveis.

Segundo Nuno Brito Jorge, a Coopérnico conta com cerca de 200 associados e pretende chegar a 450 até ao final do ano. A cooperativa explora um parque com capacidade para 227 kw (kilowatts) de geração fotovoltaica, num investimento superior a 300 mil euros, em Mangualde, Palmela, Lisboa e Tavira. Nos planos está a expansão para as micro-hídricas e ambição de chegar ao norte do país. A energia produzida por estas instalações é vendida à rede e tem uma tarifa superior à do mercado, ao abrigo da produção em regime especial (PRE).

A cooperativa é uma das 56 entidades reconhecidas pela Direção-Geral de Energia como podendo comercializar eletricidade, mas não é ainda uma comercializadora registada no site da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos) onde estão todas as empresas que tem disponível neste momento uma oferta para o mercado, neste caso doméstico.

Nuno Brito Jorge explicou ao Observador que a cooperativa não preenche todos os requisitos exigidos a uma comercializadora, nomeadamente a nível financeiro, tendo por isso feito uma associação com uma empresa de serviços energéticos, a Enforcesco, que opera no mercado liberalizado com a marca Ylce (Yes Low Cost Energy).  A Ylce é uma das 11 comercializadoras que está ativa no mercado doméstico de eletricidade, segundo a ERSE.

Segundo a ERSE, o mercado liberalizado tinha 3,9 milhões de clientes em março, o que representava 69% da totalidade dos consumidores domésticos.

Corrigido às 14.00 de dia 24 com indicação de que para se aceder à oferta de eletricidade da Coopérnico é preciso aderir à cooperativa.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt
Energia

Os cidadãos no Plano Nacional de Energia e Clima

Nuno Brito Jorge
145

Uma das (boas) medidas do PNEC é querer atualizar o enquadramento legal do autoconsumo para que, por fim, seja permitida a partilha pelos inquilinos da energia produzida no telhado de um mesmo prédio.

Partidos e Movimentos

Seja bem-vinda, "Iniciativa Liberal"

Mário Pinto

Saudamos o Manifesto da Iniciativa Liberal, mesmo não partilhando muitas das suas propostas. Saudamos em especial a defesa do princípio da subsidiariedade, base para a "democratização da democracia".

Poupança

O capital liberta

André Abrantes Amaral

É do ataque constante ao capital que advêm as empresas descapitalizadas, as famílias endividadas e um Estado sujeito a três resgates internacionais.

Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)