Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Era uma vez uma casa com dois andares. No cimo das escadas só existe uma lâmpada, controlada por um dos três interruptores – A, B e C – presente no rés-do-chão. Não sabemos qual deles pode acender a lâmpada e só podemos subir as escadas uma vez para descobrir. Como o podemos fazer?

quebra cabeças

Não, não são precisos cálculos matemáticos.

O segredo é o seguinte:

  • Primeiro carregamos no interruptor A.
  • Ao fim de cinco minutos desligamos este e pressionamos o interruptor B e corremos para o andar de cima.
  • Se a lâmpada estiver acesa, o interruptor correto é B. Caso a lâmpada não esteja a emitir luz, mas sintamos que está quente quando a tocamos, significa que o interruptor correto é o A. Se não houver luz e a lâmpada estiver fria, então o interruptor correto é C.

Vê? Tão simples quanto isto: basta assumir um pensamento linear, isto é, o pensamento natural e direto que mais utilizamos no dia-a-dia. O termo foi inventado por Edward de Bono, um psicólogo maltês que estudou o pensamento comum, de causa e consequência, como conta o El Confidencial.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mas há uma questão a ter em conta. É que nem todas as pessoas têm um pensamento linear muito bem desenvolvido e normalmente são as mais inteligentes.

Aquelas que têm vantagens neste pensamento são os mais criativos, porque conseguem estruturar diversas formas de resolver um determinado problema.