Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há uma ilha no Oceano Índico, a este do Golfo de Bengala, onde nenhum forasteiro é bem-vindo: quem se aproxima da costa arrisca a vida. Apesar de ser habitada há 60 mil anos, a Ilha Sentinela do Norte está de portas fechadas para o mundo moderno: o seu povo prefere continuar a viver isolado, com armas rudimentares e modos violentos.

Screen Shot 2015-07-07 at 16.12.51

A agressividade deste povo é tão grande que o governo da Índia, país ao qual a ilha pertence, viu-se obrigado a delinear um perímetro de segurança de três milhas em redor da mesma, conta o ABC. É algo que pertence à cultura do povo: no século XVIII, um navio mercantil ficou preso num banco de areia junto à ilha e todos os 106 tripulantes foram atacados pelos habitantes da Sentinela do Norte, mas escaparam à morte graças às operações de resgate organizadas pouco depois, explica o Neatorama.

Depois do grande tsunami de 2004 no Pacífico, foram enviados meios aéreos para sobrevoar a ilha e tentar perceber o impacto em Sentinela do Norte. Mas foram recebidos com lanças de fogo e pedras, levando por isso o governo a tomar a decisão de manter a ilha isolada conforme a vontade da população local.

O comportamento deste povo durante o tsunami fez crer que estaria preparado para o desastre, informa o site dedicado à ilha: os habitantes dirigiram-se para o centro da ilha, na tentativa de fugir às ondas. E tudo indica que é precisamente a falta de comunicação com outros povos que lhes permite sobreviver, já que as tribos que existiam nos arredores acabaram extintas à medida que outros povos foram entrando pelos seus territórios.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Além disso, os muitos milhares de anos de isolamento completo podem ser também um perigo para os locais. Não criaram imunidade a doenças consideradas normais e comuns para a maioria e qualquer contacto com forasteiros pode ser fatal.

Em 2006, alguns pescadores britânicos ilegais desafiaram a lei indiana e atravessaram o perímetro de segurança. Conseguiram mesmo alcançar a costa, mas terão sido mortos pelos habitantes (há outra teoria, a de que não terão sobrevivido às condições naturais e aos animais predadores), uma prova da hostilidade destes indígenas e do quão determinados estão em não manter contacto com o exterior, escreve o ABC.

Este pode ser o povo mais isolado do mundo, na ilha mais virgem do planeta. Os habitantes da Ilha Sentinela do Norte impossibilitaram até aqui que se estudassem os seus costumes, idioma, rituais e tradições: sabe-se apenas que andam nus e que usam armas de pedra e madeira, o que lhes valeu a alcunha de “povo da Idade da Pedra”.

Comem essencialmente frutos das árvores e peixe, cuja variedade é muito rica nestas águas rodeadas de corais. São os corais que mantêm os barcos longe da costa e ajudam o povo de Sentinela do Norte a assegurar o isolamento. Existe também a possibilidade de serem canibais, uma teoria que é suportada pelo facto de os povos extintos que habitavam noutras ilhas desta região usarem ossos humanos como bijuteria. Mas nada disto pode ser comprovado.

A ilha nunca foi explorada. As imagens que existem foram captadas por satélite ou então por aventureiros que se aproximam da costa, arriscando a vida.

Texto editado por Filomena Martins