Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Antes de Andreja Pejic ou de Lea T, já Caroline Cossey tinha aberto as primeiras páginas às pessoas transgénero. Em 1981, Caroline posou para a Playboy e tornou-se a primeira transsexual a fazê-lo – mesmo que nesse momento ninguém soubesse disso. As fotografias na revista feminina aconteceram depois do sucesso de Caroline como Bond Girl no filme “007 – Missão Ultra-Secreta”, de 1981. Um ano depois, a News of The World revela o segredo e Caroline, que nasceu Barry, entra numa espiral de depressão e auto-destruição.

O jornal gastou “uma barbaridade de dinheiro” para aceder à certidão de nascimento de Caroline, conta a própria citada o ABC. “Quando descobriram, só me queria esconder. Cheguei a tentar o suicídio. Senti-me envergonhada, humilhada. Até que um dia levantei-me e percebi que não podia envergonhar-me de algo sobre o qual não tinha controlo”, explica a modelo.

Aos 60 anos, a ex-modelo lança o livro “My Story” onde conta toda a história de aceitação, dor e preconceito. Deixou definitivamente o showbiz depois de um episódio com Howard Stern, estrela da televisão americana. Foi aí que tudo mudou, confessa. “Ele entrevistou-me vestido de mulher e começou a gozar a dizer que ia fazer a cirurgia (de mudança de sexo); e eu não fazia a mínima ideia que ele ia fazer aquilo. Depois começou a fazer piadas sobre cortar o pénis e quis entregar-me uma salsicha. Eu só pensei: eu não preciso disto. Tenho de manter a minha sanidade mental.” Depois do episódio infeliz, Caroline decidiu sair de cena.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A vontade de se refugiar levou a modelo a sair de Inglaterra e vive agora em Atlanta, na Georgia. “Tenho alguém que me ama. Não queria continuar naquele circo, por isso parei a minha carreira ali”, contou à Cosmopolitan, cita o Mirror. Caroline assume que, no que toca à aceitação dos transgénero, o mundo está melhor hoje.