“Está tudo praticamente resolvido, mas os homens vão ficar no local e o meio aéreo vem agora durante a manhã, mas não é preciso mais reforços. Só o helicóptero vai chegar. Só se as condições se agravarem bastante o que não esperamos que aconteça”, avançou à Lusa, José Soldado, segundo comandante distrital dos bombeiros de Évora.

O operacional explicou que, pelas 07:15, “as condições meteorológicas estão boas, não havendo vento”, sublinhando, no entanto, que a área ardida “é muito grande” e é necessário “consolidar tudo isto e fazer o rescaldo, que é enorme”.

“Está aqui trabalho para todo o dia”, frisou.

Questionado sobre a área total ardida, José Soldado sublinhou tratar-se de “uma área muito grande”, podendo ser “para lá de mil hectares”, adiantando “não estar nada confirmado e medido ainda”.

O fogo deflagrou pelas 15:17 de segunda-feira e chegou a ter três frentes ativas, consumindo áreas de mato, eucaliptal, montado e pasto na Serra do Meio, freguesia de Alqueva, no concelho de Portel, distrito de Évora.

No local encontram-se ainda os 232 operacionais que estiveram a combater o incêndio nas últimas horas, apoiados por 68 veículos, e que vão permanecer no ‘teatro das operações’.

José Soldado sublinhou ainda que durante o combate ao fogo “não houve nenhum acidente” e que o incêndio “não colocou casas em risco”, estimando a sua total resolução durante o período da manhã.