A Coreia do Norte emitiu hoje mensagens de propaganda, através de altifalantes, junto à fronteira com a Coreia do Sul, depois de Seul ter feito o mesmo na passada semana.

O regime de Kim Jung-un começou a emitir mensagens de propaganda na área oriental da Zona Desmilitarizada (DMZ) que divide as duas Coreias, disse um porta-voz do ministério da Defesa sul-coreano.

Na passada terça-feira, Seul transmitiu mensagens de defesa da democracia e de denúncia das violações dos direitos humanos na Coreia do Norte, através de altifalantes próprios, pela primeira vez em mais de 11 anos.

Em 2004, os dois países assinaram um acordo para pôr fim a esta prática, constante entre Norte e Sul desde a Guerra da Coreia (1950-53).

Os dois países atravessam novamente um novo momento de tensão, depois de, no início do mês, dois soldados sul-coreanos terem ficado gravemente feridos na explosão de minas colocadas na zona sul da DMZ.

O governo de Seul concluiu, após uma investigação, que as minas foram colocadas por militares norte-coreanos, infiltrados em território sul-coreano, mas Pyongyang negou qualquer implicação no caso.

Entretanto, dezenas de milhares de tropas sul-coreanas e norte-americanas iniciaram manobras militares de larga escala, que simulam um ataque da Coreia do Norte.

Pyongyang já condenou, como habitualmente, o exercício ‘Ulchi Freedom’, que classificou como uma “declaração de guerra”.

No exercício anual, que decorre até 28 de agosto, participam 50 mil soldados sul-coreanos e três mil norte-americanos.

Norte e Sul continuam tecnicamente em guerra, uma vez que a Guerra da Coreia terminou com a assinatura de um armistício que nunca foi substituído por um tratado de paz entre os dois vizinhos.