Milhares de cidadãos da Malásia manifestaram-se este sábado nas ruas de Kuala Lumpur para para pedir reformas no sistema político e exigir a demissão do primeiro-ministro, Najib Razak, que acusam de corrupção, informa a imprensa local.

Os manifestantes, convocados pela plataforma de cidadãos Bersih, desafiaram as advertências do Governo, que tinha declarado o protesto ilegal e mobilizado agentes antimotim e camiões com canhões de água para o centro da capital.

O protesto foi convocado para hoje e domingo em Kuala Lumpur, capital do país, e nas cidades de Kuchin e Kota Kinabalu, capitais dos Estados de Sarawak e Saban, respetivamente, na parte malásia da ilha de Borneo.

Na capital, a maioria dos manifestantes estão concentrados nas imediações da praça Merdeka (que significa “liberdade” ou “independência” em malaio), onde estão a ser levados a cabo os preparativos para a celebração do Dia Nacional, segundo a página na Internet do jornal “The Malaysian Insider”, citado pela Efe.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro, Najib Razak, criticou o facto de os organizadores terem escolhido os dias que antecedem as celebrações da independência do país — que ocorreu a 31 de agosto de 1957 -, para a realização do protesto.

Najib, cujo partido está no poder desde a independência da Malásia, está implicado num alegado escândalo de corrupção pelo desvio de cerca de 700 milhões de dólares (630 milhões de euros) de um fundo estatal de investimentos para as suas contas privadas.

O primeiro-ministro negou as acusações e afirmou tratar-se de uma campanha com o objetivo de o descredibilizar.