António Costa

Refugiados a limpar florestas? Costa acredita que seria uma “grande oportunidade”

9.297

António Costa acredita que o país deve acolher mais refugiados e sugeriu que essas pessoas ajudem na limpeza das florestas e no combate à desertificação. "Ideia genial", ironizam os críticos.

FRANCOIS GUILLOT/AFP/Getty Images

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

Numa altura em que os diferentes líderes europeus discutem entre si que caminho seguir para travar a crise humanitária que atravessa a Síria e o Iraque, António Costa acredita que Portugal deveria assumir uma posição mais “proativa” e acolher mais refugiados, integrando-os, por exemplo, no setor agrícola e nas zonas mais desertificadas do país. As palavras de Costa já merecerem críticas da esquerda à direita do espetro político português.

O líder socialista falava em Alverca num debate do PS sobre políticas sociais, que teve como moderadora a dirigente do PS e ex-presidente da Câmara de Vila Franca de Xira, Maria da Luz Rosinha. Pronunciando-se sobre a situação dos refugiados que todos os dias tentam chegar à Europa para escapar aos conflitos que assolam a Síria e o Iraque, António Costa defendeu que o país tem aqui “uma grande oportunidade de recuperar património abandonado, de criar uma nova oportunidade de vida para estas pessoas e uma melhor forma de desenvolver o nosso território” integrando os refugiados nas zonas mais desertificadas.

Quando eu vejo o estado em que está a nossa floresta, quando vejo os autarcas da zona do pinhal, do interior, a queixarem-se da falta de mão de obra para fazer a manutenção do pinhal, [eu pergunto-me]: ‘mas está aqui tanta população que está habituada a trabalho agrícola, que tem capacidade de trabalhar nesta floresta,” por que razão não são integradas em “aldeias que estão construídas, onde as habitações existem, onde os equipamentos existem e estão a ser abandonadas pela desertificação”, disse o socialista.

Ora, no Facebook, Luis Leiria, bloquista e jornalista do Esquerda.net – publicação oficial do Bloco -, foi dos primeiros a reagir e usou o Facebook para perguntar: “[De onde] tirou o secretário-geral do PS esta genial ideia?”.

A ideia que António Costa tem de bom acolhimento e de integração dos refugiados em Portugal é pô-los a limpar as florestas. Segundo o candidato a primeiro-ministro do PS, os refugiados estão ‘habituados a trabalho agrícola’ e têm ‘capacidade de trabalhar na floresta’; portanto ‘temos aqui uma grande oportunidade’.

Além disso, continuou o bloquista, “a Síria tem 56% da sua população em áreas urbanas” e “a área florestal da Síria é de 1% a 2,4%“. Daí a “pergunta óbvia: ‘de onde, senão de um estereótipo, tirou o secretário-geral do PS esta genial ideia de que isto é gente habituada ao trabalho agrícola e ainda por cima com experiência em florestas? Em que boas práticas do Alto Comissariado para os Refugiados se baseou para achar “que é uma oportunidade” acolher os refugiados e espalhá-los pelas florestas?”.

A ideia que António Costa tem de bom acolhimento e de integração dos refugiados em Portugal é pô-los a limpar as...

Posted by Luis Leiria on Quinta-feira, 3 de Setembro de 2015

Luis Vales, deputado do PSD, não ficou atrás e, também no Facebook, lançou duras críticas ao líder socialista. “António Costa quer colocar os refugiados a tratar das matas e da floresta. Diz que estão habituados… É revoltante esta afirmação. Os refugiados, vítimas de conflitos na sua terra, também são seres humanos e devem ter as mesmas oportunidades e direitos. Não têm vontade própria? Capacidade para trabalhar noutras áreas? Uma vergonha para Portugal, o líder no maior partido da oposição fazer esta afirmação. Uma Vergonha!”.

Antonio Costa quer colocar os refugiados a tratar das matas e da floresta. Diz que estão habituados... É revoltante esta...

Posted by Luis Vales on Quinta-feira, 3 de Setembro de 2015

Também João Annes, social-democrata e conselheiro do secretário de Estado da Defesa, não poupou António Costa que, acusou, “não tem a mínima noção das convenções internacionais que Portugal subscreve”.

“Por aqui a novidade voluntarista de um candidato a primeiro ministro sobre este assunto é oferecer aos refugiados trabalho a limpar matas, a mesma solução que foi oferecida aos reclusos portugueses em 2010, por um Governo do seu partido. Como é que alguém que foi Ministro da Justiça e da Administração Interna não tem a mínima noção das convenções internacionais que Portugal subscreve, como a Convenção das Nações Unidas sobre os direitos dos refugiados, ou a Convenção de Genebra?”, escreveu João Annes no Facebook.

No mesmo debate, António Costa voltou a defender que é preciso combater a ideia de que é construindo muros que se resolve um problema que é muito maior do que uma simples vaga de migração. “É preciso perceber que a vontade de muitos destes refugiados é uma vontade imparável. Essa ideia de que vamos conseguir travar os refugiados, construindo muros, é errada e mais é uma ideia indigna da Europa”, afirmou o secretário-geral do PS, citado pela Agência Lusa. O líder socialista lembrou, a título de exemplo, a experiência dos portugueses que, na década de 60, atravessaram “a salto” os Pirinéus e que se instalaram em condições miseráveis na periferia de Paris.

Em agosto, através do Twitter, António Costa já se tinha pronunciado sobre a crise de refugiados, defendendo que era tempo de a Europa estar “à altura de si própria”. “Perante o que se passa, a Europa só pode responder – em primeira linha – com solidariedade e humanidade. O contrário intolerável“, insistiu o socialista.

Inicialmente, Portugal mostrou-se disponível para acolher 1.500 refugiados, mas o número poderá ser superior. Para já, como explicou o Observador, ainda não há plano de ação por parte do Governo, mas as instituições de solidariedade social estão a contar cabeças dentro das suas organizações para ver de que meios dispõem e preparam-se para apresentar uma Plataforma de Apoio aos Refugiados. Também as autarquias, através da Associação Nacional de Municípios Portugueses, estão prestes a tomar uma posição oficial para fazer face a esta “crise civilizacional e humanitária”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves
868

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)