Cavalos de pedra com bombas de extração de petróleo montados por cavaleiros de fato e gravata podem ser vistos a emergir do rio Tamisa, em Londres. Rising Tide é uma escultura aquática que pretende “lembrar que os combustíveis fósseis não são o futuro” e que “devíamos investir num futuro sustentável”.

“Os cavaleiros simbolizam o desejo de controlar as forças naturais, mas estão posicionados sobre a água, ou seja, somos frágeis perante a natureza”, disse à CNN o artista britânico Jason deCaires Taylor, o autor da escultura. “Representa uma metáfora para a subida dos níveis das águas e para o quão pouco tempo temos realmente para agir”, acrescentou.

Para Taylor, o rio Tamisa é uma “localização fundamental”, visto que os cavaleiros estão “próximos do Parlamento britânico e da sede da companhia de petróleo Shell”. Além disso, conta o artista britânico, é uma oportunidade única para encorajar o crescimento da vida marina local.

Esta não é a primeira vez que Taylor deambula no mundo da arte submarina. Em 2009, o artista britânico contribuiu para a abertura do museu Musa Subacuático de Arte, situado na costa de Cancún, no México. Veja o trabalho de Jason deCaires Taylor no Tâmisa e no México.