Um dos suspeitos do atentado em Banguecoque, no mês passado, deu a mochila, onde estava o explosivo, ao homem de t-shirt amarela que foi visto a colocar a bomba no templo, anunciou esta quarta-feira a polícia tailandesa.

Continuam por esclarecer quais os motivos por detrás do atentado de 17 de agosto que matou 20 pessoas no coração de Banguecoque e afetou a indústria de turismo tailandesa.

A polícia deteve dois estrangeiros e diz ter identificado vários outros suspeitos. Um dos homens detidos na semana passada junto à fronteira com o Camboja, Yusufu Mieraili, confessou ter tido um papel central na operação, de acordo com a polícia.

Mieraili, de 25 anos, que tinha na sua posse um passaporte chinês, participou hoje numa reconstituição do seu alegado papel no crime, em que confirmou ter sido ele quem deu a bomba ao homem de t-shirt amarela captado pelas câmaras de videovigilância.

“Esta foi a zona onde ele se encontrou com o homem da t-shirt amarela para lhe dar a mochila”, disse o porta-voz da polícia nacional Prawut Thavornsiri, referindo-se a uma zona no exterior da estação de comboios.

As câmaras de videovigilância no local mostraram um homem a colocar o que aparenta ser a mesma mochila no templo, afastando-se depois calmamente, momentos antes da explosão.