Estreia da Semana

“A Visita”: querida, matei os netinhos

125

Depois de uma travessia do deserto com vários filmes falhados, M. Night Shyamalan volta a entrar, com “A Visita”, no território do terror onde se celebrizou com “O Sexto Sentido”, em 1999.

Autor
  • Eurico de Barros

Já lá vai o tempo em que David Thomson escrevia, a propósito de “O Sexto Sentido”, o filme que revelou M. Night Shyamalan, em 1999, e que, além de aplaudido pela crítica, foi o segundo mais rentável desse anos nos EUA, que o realizador indiano radicado nos EUA representava a esperança de dar alma e coração “a um género, o terror, completamente degradado”. Entretanto, a fórmula dos filmes de Shyamalan, assente e dependente de uma “surpresa” final no enredo, foi-se repetindo, com resultados muito variáveis (e nunca, após “O Sexto Sentido”, tão melhor do que em “A Vila”). Quando o realizador começou a afastar-se da segurança confortável e identificável do seu “habitat”, as coisas foram piorando cada vez mais, como se viu no catastrófico “A Senhora da Água”, onde o próprio Shyamalan também aparecia como actor; no inenarrável “O Último Airbender”; e no insofrível projecto de vaidade familiar de Will Smith, “Depois da Terra” (devo ter sido das poucas pessoas no planeta a ter achado piada a “O Acontecimento”). Chegou-se ao ponto de um engraçadinho ter feito um “site” de “crowdfunding” para angariar dinheiro para mandar o realizador para a escola de cinema.

M.Night Shyamalan e o cinema

Depois de um desvio pela televisão, como produtor executivo e realizador do primeiro episódio da série “Wayward Pines”, já vista em Portugal, M. Night Shyamalan livrou-se “de alguma gordura cinematográfica que tinha acumulado nestes últimos anos”, como disse ao “The New York Times” numa entrevista, e volta a entrar no território do terror com “A Visita”. O filme foi feito em regime de total independência, com actores pouco conhecidos, na Pensilvânia, onde Shyamalan nasceu e vive, e com controlo total da produção por este. O realizador investiu aqui o dinheiro ganho em “Longe da Terra”, reivindicando assim a tutela artística plena que lhe foi negada nos últimos filmes. (Shyamalan não teve direito a “final cut” em “O Último Airbender” e em “Longe da Terra” , e Will Smith e ele pegaram-se valentemente por causa deste último, que teve que ser remontado e acabou por ser renegado pelo actor.)

“Trailer” de “A Visita”

Em “A Visita”, dois irmãos adolescentes, um rapaz e uma rapariga, vão visitar os avós à quinta destes. Os jovens não os conhecem, porque a mãe saiu de casa em conflito aceso com os pais 15 anos antes, e nunca mais tiveram contacto. Lá chegados, os miúdos começam a notar que tanto o avô como a avó se comportam estranhamente, a espaços, mas aceitam as explicações deles: velhice e maleitas desagradáveis e socialmente embaraçosas. Dizer mais sobre o enredo do filme seria revelar o que não se pode, tanto mais que Shayamalan volta a activar a “surpresa” final que o celebrizou.

Entrevista com M. Night Shyamalan

O filme deixa a impressão que o realizador está a tentar adaptar-se aos novos tempos e modos de contar, mas que chegou tarde demais. Por um lado, o formato de “found footage” que a fita adopta (a rapariga quer ser realizadora e leva consigo uma câmara, para fazer um documentário sobre a família – “A Visita” “finge” ser um filme rodado por ela) já foi sugado até ao osso, sobretudo no género de terror, e deu o (pouco) que tinha a dar; pelo outro, ao fazer dos irmãos adolescentes os heróis da fita, além dos seus “narradores”, Shyamalan parece querer conquistar o público dessa faixa etária (um erro que já cometeu em “O Último Airbender”), sem pretender alienar o do terror, correndo o risco de não agradar a nenhum dos dois. Daí também que haja “alívio cómico” a mais no filme, quase sempre a cargo do miúdo mais novo, Tyler, aspirante a “rapper”, e essa bota não joga bem com a perdigota do horror. Há bons momentos de inquietação e sobressaltos em “A Visita”, mas são atenuados no seu impacto pelos sucessivos espirros de comédia – e por duas ou três inconsistências da história. (E era mesmo necessária aquela cena repugnante com a fralda de incontinente do avô?).

Por trás da rodagem

M. Night Shyamalan revelou no Twitter que “A Visita” tem três versões diferentes. Uma que é “terror puro”, outra que é “comédia pura” e esta que se estreia, “algures a meio caminho” entre aquelas duas. Costuma dizer-se que no meio está a virtude, mas isso não se aplica aos filmes de terror. M. Night Shyamalan devia ter escolhido a primeira versão, só com medo e sem comédia. É que assim, “A Visita” ficou a meio caminho de ser um bom filme de terror.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)