O exercício da NATO “Trident Juncture”, que tem Portugal como um dos países anfitriões, mostra que a Aliança Atlântica está pronta para qualquer missão para a qual seja chamada, comentou hoje em Bruxelas o secretário-geral da organização.

Numa conferência de imprensa durante uma reunião de ministros da Defesa da NATO, na capital belga, Jens Stoltenberg referiu-se ao “maior e mais ambicioso exercício da NATO em mais de uma década”, a realizar sobretudo em Portugal (onde já teve início), Espanha e Itália, comentando que o mesmo demonstra a capacidade da organização para entrar em ação quando e onde for necessário.

“O exercício mostra que a NATO pode ir onde formos necessários, quando formos necessários e para fazermos o trabalho que nos for pedido. Essa sempre foi a nossa missão, e vamos continuar a estar à altura”, declarou.

O exercício ‘Trident Juncture 2015’ teve início a 03 de outubro e estende-se até dia 06 de novembro, em Portugal, Espanha e Itália, juntando cerca de seis mil efetivos portugueses, entre mais de 30 mil militares de 30 países, na totalidade.

Considerado o maior exercício militar desde 2002, o ‘Trident Juncture 2015’ é constituído por duas fases, o exercício de Postos de Comando (CPX), que decorre até 16 de outubro, e o exercício com Forças (LIVEX), entre 21 de outubro e 06 de novembro.

Além dos militares que participam diretamente no exercício (940 integrados na Força de Resposta da NATO — Organização do Tratado do Atlântico Norte, OTAN na sigla em inglês – 2016 e 2220 nos meios complementares), Portugal disponibilizará ainda mais 3000 militares que funcionarão como forças de apoio (Host Nation Support), totalizando em cerca de 6000 os efetivos portugueses envolvidos neste exercício.

Segundo o Estado-Maior-General das Forças Armadas, os exercícios aéreos concentrar-se-ão em Itália, os terrestres em Espanha, e em Portugal decorrerá maioritariamente a componente marítima.

O exercício militar de grande visibilidade em Portugal vai decorrer nas zonas de Beja, Santa Margarida, Tróia e Setúbal e contará, em território nacional, com mais de 10 mil efetivos de 14 países.