Cultura

Chapitô representa escolas de circo da Europa em sessão sobre educação inclusiva

1.397

O Chapitô usa as artes circenses na integração de jovens em situação de risco e foi escolhido para representar as escolas de circo da Europa numa sessão da Comissão Europeia sobre educação inclusiva.

© Hugo Amaral/Observador

O Chapitô usa as artes circenses na integração de jovens em situação de risco e vulnerabilidade, um trabalho que sustenta  a escolha para representar as escolas de circo da Europa, numa sessão da Comissão Europeia sobre educação inclusiva.

A sessão, sobre a problemática da educação inclusiva, diálogo intercultural e cidadania ativa, tem lugar na próxima segunda-feira, dia 19 de outubro, em Bruxelas, e o Chapitô estará a representar as escolas de circo da Europa, a convite da Federação Europeia das Escolas de Circo (FEDEC).

Em declarações à agência Lusa, a presidente do Chapitô disse que esta é uma oportunidade não só para mostrar aos restantes países europeus o método de trabalho que o organismo tem desenvolvido, como também para mostrar a Portugal a importância da cultura na integração de jovens mais problemáticos.

“Em Portugal é uma coisa que não é reconhecida da mesma maneira como é em França ou noutros países mais desenvolvidos culturalmente, onde este tipo de intervenção é fulcral”, apontou Teresa Ricou.

Na opinião da responsável, é importante o Chapitô ir para fora de Portugal para conseguir mais investimento e com isso encontrar mais e “melhores técnicos e recursos humanos” para responder ao crescente número de alunos.

De acordo com Teresa Ricou, o trabalho que é feito pelo Chapitô é único na Europa, um facto que justifica com a diferente condição social dos restantes países europeus.

“Portugal é um país pequeno, temos grandes dificuldades, a nossa economia não é a melhor e as oportunidades para a malta nova não são as mais aliciantes”, apontou.

Defendeu, por isso, que tanto o Estado como as fundações têm que se mostrar disponíveis “para desenvolverem qualidade num trabalho que já está há 33 anos no mercado”.

“Este trabalho é um modelo e este modelo integrado absolutamente funciona. Funciona enquanto economia social, enquanto expansão da cultura e reforço da cultura em meio aberto, enquanto formação artística, enquanto descoberta de talentos, enquanto estímulo à malta nova pela positiva, com um ativismo presente”, sublinhou.

Teresa Ricou confidenciou que quer avançar para a criação de um ensino superior ao nível da escola do Chapitô, assim que “consiga encontrar empresários interessados em investir nisso”.

Teresa Ricou não tem dúvidas em afirmar que o modelo de funcionamento do Chapitô funciona, mas lembrou que é preciso ter um “plantel de alto nível”, com recursos humanos, formativos e criativos.

“Para isso é preciso outro tipo de investimento, que nós até agora não temos tido, temos trabalhado muito com a prata da casa”, sublinhou.

A responsável não consegue precisar quantos jovens já passaram pelo Chapitô, mas sabe que todos os anos são entre 80 e 100 os que saem formados e que, seguramente, 60% dos que saem estão a trabalhar, seja em Portugal ou no estrangeiro.

Depois de Bruxelas, o Chapitô vai estar no dia 21 em Auch-Toulouse para atuar no CIRCA, “um dos maiores festivais de circo de França”.

Antes, entre 05 e 12 de outubro, o Chapitô participou na Semana Internacional de Circo das Canárias.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela
1.537

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)