Timor-Leste

Oecusse, enclave timorense que é hoje terra do pó, onde os miúdos ainda dizem boa tarde

Isolado durante os últimos cinco séculos e praticamente esquecido, quer durante a ocupação indonésia, quer durante o período da independência, Oecusse está hoje a viver um movimento sem precedentes.

Antonio Cotrim/LUSA

Pó, máquinas, camiões e buracos de obras são os elementos dominantes dos oito quilómetros entre Lifau, onde há 500 anos chegaram os primeiros portugueses a Timor-Leste, e a nova central elétrica de Sakato, no enclave de Oecusse. Isolado durante os últimos cinco séculos e praticamente esquecido, quer durante a ocupação indonésia, quer durante o período da independência, Oecusse está hoje a viver um movimento sem precedentes.

Dezenas de empresas trabalham no terreno, inúmeros projetos estão a ser feitos ao mesmo tempo, o número de estrangeiros é o mais elevado em muitos anos – só portugueses são cerca de 50 – e uma fatia significativa do Orçamento do Estado está canalizado para a região.

Em 2015, foram mais de 90 milhões de dólares (82,6 milhões de euros), no próximo ano deverão ser cerca de 200 milhões de dólares (183,7 milhões de euros), a que se somam projetos de empresas privadas como a Interway, contratada para construir uma nova clínica e que foi a primeira empresa portuguesa registada em Oecusse.

Ainda faltam os grandes investimentos estrangeiros prometidos, mas as autoridades regionais e nacionais insistem que é impensável conseguir isso sem as infraestruturas básicas de uma região onde, durante décadas, praticamente não se investiu.

Agora toda a zona é um gigantesco estaleiro, com novas estradas, pontes, uma central elétrica, um hotel, projetos de irrigação e novas estruturas administrativas, a níveis diferentes de conclusão. A central vai estar pronta nas próximas semanas, o novo monumento de Lifau deverá demorar alguns meses e o novo hotel – que começou há um ano – ainda praticamente não passou de pilares. Quilómetros de estradas estão a ser feitos ao mesmo tempo, com valas e passeios, há projetos na agricultura e novas infraestruturas de saúde, entre outras.

Tudo com modelos sem precedentes de gestão – só em janeiro é que o Governo timorense formalizou a “transferência de poderes e devolução de competências” do Governo central para a Autoridade da Região Administrativa Especial de Oe-Cusse Ambeno. E onde se criam precedentes na forma de gerir projetos: todas as grandes obras estão a ser fiscalizadas, a maioria por empresas portuguesas, o que implica critérios apertados como nunca na qualidade da execução e novos modelos a aplicar, possivelmente, às futuras grandes obras do país.

Lojas, casas, pequenos negócios que mostram uma comunidade de 70 mil habitantes (na capital são cerca de 10 mil) a despertar depois de uma letargia provocada pelo abandono e esquecimento.

As ligações regulares por mar (e desde esta semana por ar) evidenciam o crescente interesse do enclave, com cada vez mais passageiros e cada vez mais negócios, procurando responder a uma procura também sem precedentes. A procura é tanta que o pequeno mercado, que não estava minimamente preparado para este furacão de obras, muitas vezes sente carências, inclusive de produtos essenciais como cimento ou outro material de construção.

Transportar coisas de Díli é caríssimo – um contentor que custe 5.000 dólares para viajar da Europa até Díli pode custar 20 mil só para ir de Díli até Oecusse – pelo que o lado indonésio da ilha de Timor é o recurso mais usado. Apesar disso, Díli é o recurso para alimentar novos negócios – já abriram vários restaurantes, estão pensados outros serviços e até vai abrir uma ‘filial’ da única discoteca de Timor-Leste.

Apesar de tudo isto, e do pó que domina o ar, há no entanto algumas características que em Oecusse ainda não mudaram, como a importância do mar ou a burocracia em terra, com duas fronteiras timorenses e duas indonésias.

E finalmente o trato de quem é destas bandas, a recordar períodos antigos, onde os putos – e os menos putos – ainda acenam aos estrangeiros que passam, gritando-lhes “bo tardi”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)