França começou o ano com um dos piores atentados terroristas da sua história e esta sexta-feira foi alvo de um ataque consideravelmente mais mortífero. Entre estes dois ataques, França, em particular Paris, foram alvo de uma série de incidentes. Relembre aqui alguns destes incidentes:

10 de novembro — A polícia francesa anuncia a detenção e acusação de um homem de 25 anos por associação criminosa e planear um atentado terrorista. O homem estava a ser vigiado há um ano e foi detido quando tentava comprar material para construir uma bomba, que teria como destino um ataque a soldados da marinha francesa em Toulon.

21 de agosto — Dois soldados norte-americanos que viajavam pela Europa conseguem evitar o pior numa viagem de comboio entre Amesterdão e Paris, conseguindo dominar um jovem marroquino armado com facas, uma pistola e uma espingarda. Duas pessoas feridas, incluindo um baleado, assim como um dos soldados que dominou o atacante.

13 de julho — Quatro jovens, com idades entre os 16 e os 23 anos, incluindo um antigo soldado são detidos por suspeita de planear um ataque contra uma base militar nos Pirenéus e de decapitar um soldado em nome da guerra santa. Os quatro jovens revelam o seu compromisso com a guerra santa e com o Estado Islâmico. 

26 de junho — Yassin Salhi mata e decapita o seu chefe, Hervé Cornara, perto de Lyon, e de seguida um grupo de islamitas empunhando bandeiras tentam fazer explodir uma fábrica da Air Products perto de Saint-Quentin-Fallavier, fazendo embater a carrinha que conduziam contra botijas de gás, antes de serem detido pelas autoridades.

19 de abril — Ghlam Sid Ahmed, um estudante argelino de informática, é preso em Paris, suspeito do homicídio de uma mulher e de ter em curso a preparação para um ataque iminente contra uma igreja em Villejuif, nos arredores a sul de Paris. O jovem tinha na sua posse armas de “guerra”, e já era conhecido das autoridades por se ter convertido a uma visão extremista do Islão. À Polícia, o jovem admitiu ainda ter planos para atacar um comboio e matar pelo menos “150 infiéis” e a basílica do sagrado coração, em Paris.

3 de fevereiro —Três soldados que guardavam um centro comunitário judaico, em Nice, foram atacados com facas. Moussa Coulibaly, de 30 anos, um residente nos subúrbios de Paris, foi detido de imediato. Sob custódia policial, o atacante expressou o seu ódio a França, à polícia, ao Exército francês e a judeus.

13 de janeiro — Um alegado jihadista de 23 anos, convertido ao Islão, e que já tinha sido detido pela polícia em novembro de 2014 por se suspeitar fazer parte de um grupo terrorista na Síria ameaça de morte um polícia em Elboeuf, na Normandia.

9 de janeiro de 2015 — Polícia francesa mata a tiro Amedy Couliably, de 32 anos, suspeito principal do assassinato da polícia Clarissa Jean-Phillip, em Montrouge. Amedy Couliably foi o responsável pelo sequestro e morte de quatro pessoas em Porte de Vincennes. Couliably seria amigo dos irmãos Kouachi, responsáveis pelo ataque ao jornal satírico francês, Charlie Hebdo. 

7 de janeiro de 2015 — Ataque ao jornal satírico Charlie Hebdo, em que morreram doze pessoas e cinco feridos. O ataque foi levado a cabo pelos irmãos Saïd e Chérif Kouachi, na sede do semanário no 11º arrondissement de Paris.