Dark Mode 78,7 kWh poupados com o MEO
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Hoje é um bom dia para mudar os seus hábitos. Saiba mais

O testemunho de uma sobrevivente do Bataclan. "Fingi estar morta durante mais de uma hora"

Isobel sobreviveu à chacina do Bataclan. Fingiu-se de morta entre dezenas de mortos. E contou, no Facebook, o que lá viveu. Não é uma mensagem de ódio. É uma mensagem de amor. E agradecimento.

i

FRANCK FIFE/AFP/Getty Images

FRANCK FIFE/AFP/Getty Images

Isobel Bowdery é sul-africana. 22 anos. Foi ao concerto dos Eagles of Death Metal no Bataclan com o namorado, Amaury. Sobreviveu. Sobreviveram os dois. Isobel relatou no Facebook, na primeiríssima pessoa, emotiva, o que lá viu e viveu. A publicação, ilustrada por uma peça de roupa ensanguentada, teve, desde sábado, mais de 650 mil partilhas de utilizadores daquela rede social. As mensagens de solidariedade para com o testemunho de Isobel Bowdery sucedem-se. Às centenas. 

Isobel conta que, quando os atiradores chegaram ao Bataclan, a disparar, de Kalashnikov empunhadas, chegou a crer, “ingenuamente”, tratar-se de “parte do espetáculo”. Não era. “Foi um massacre. Dezenas e dezenas de pessoas foram mortas à minha frente. As poças de sangue encharcaram o chão.”

you never think it will happen to you. It was just a friday night at a rock show. the atmosphere was so happy and...

Publicado por Isobel Bowdery em Sábado, 14 de Novembro de 2015

A sobrevivente do ataque terrorista à sala do Bataclan recorda que tudo aconteceu “num instante”. Mas para ela, Isobel, o que se seguiu ao instante de chacina, durou incontáveis instantes. “Chocada e sozinha, fingi estar morta durante mais de uma hora. (…) A suster a minha respiração, a tentar não me mexer, não chorar – não mostrando àqueles homens o medo que queriam ver em mim. Tive uma sorte incrível em sobreviver. Mas muitos não sobreviveram.”

89. São 89 os espectadores, como ela o era, que não sobreviveram. Isobel Bowdery escreve, com crueza, o perfil dos carrascos. “Atos como este demonstram a depravação dos humanos. As imagens daqueles homens a circularem à nossa volta como abutres vai assombrar-me para o resto da vida. O modo como apontaram meticulosamente as armas para abater as pessoas na plateia, (…) sem nenhuma consideração pela vida humana. Nada parecia real. Só esperava que a qualquer momento alguém me dissesse que era um pesadelo.”

Mas, mais do que o terror, Isobel alonga-se a descrever quem lhe fez bem naquela noite de mal-querer; a agradecer aos seus “heróis” — como lhes chama. E os agradecimentos vão todos “para o homem que (…) colocou a sua vida em perigo para tapar a minha cabeça enquanto eu chorava; para o casal que trocou palavras de amor e me fez acreditar que há bondade no mundo; para o polícia que conseguiu resgatar centenas de pessoas; para os desconhecidos que me ergueram da estrada e me consolaram durante 45 minutos, numa altura em que me convenci de que o rapaz que amo tinha morrido; (…) para a mulher que abriu a porta da sua casa aos sobreviventes; para o amigo que (…) foi comprar-me roupas novas, para que não tivesse de usar este top manchado de sangue.” E termina: “Vocês fazem-me acreditar que este mundo pode ser melhor. Para que isto não volte a acontecer.”

Diz sentir-se “uma privilegiada”, não só por ter sobrevivido, mas por ter estado no Bataclan, nos “últimos suspiros” de quem não sobreviveu. Acreditou, Isobel Bowdery, “genuinamente que me iria juntar a eles, (…) deitada no chão, sobre o sangue de estranhos, enquanto aguardava que uma bala acabasse com a minha vida de somente 22 anos. Vi o rosto de cada pessoa que alguma vez amei e sussurrei: ‘amo-te’. Uma e outra vez.”

A mensagem de Isobel não é de ódio. Nem revolta. Não pede sangue que cubra o sangue das vítimas. É de incredibilidade, de choque, sim. Mas é sobretudo de amor. E de esperança. Termina assim: “Ontem [sexta-feira] à noite, a vida de muitos de nós mudou para sempre e cabe-nos agora ser melhores pessoas. Viver as vidas com que as vítimas inocentes desta tragédia sonharam, mas que infelizmente nunca vão poder viver. Descansem em paz, anjos. Nunca serão esquecidos.”

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.