Com 48% das intenções de voto, Marcelo Rebelo de Sousa aparece a dominar as intenções de voto para as eleições presidenciais de 24 de janeiro, mas os votos espalhados pelos candidatos à esquerda parecem impedir o professor de ser eleito à primeira volta. Na mesma sondagem, feita pela Eurosondagem para a SIC e Expresso, Maria de Belém Roseira aparece à frente de Sampaio da Nóvoa, com 18,9% dos votos, contra os 16,7% do ex-reitor.

É a primeira sondagem desde que foi anunciada oficialmente a data das eleições, e mostra que a corrida de Marcelo Rebelo de Sousa a Belém não será um passeio. A proliferação de candidatos à esquerda, de Maria de Belém a Sampaio da Nóvoa, passando por Henrique Neto, Marisa Matias e Edgar Silva, pode mesmo impedir o ex-líder do PSD de ser eleito à primeira volta.

Separados por quase 30 pontos percentuais, a seguir a Marcelo aparece a ex-presidente do PS Maria de Belém Roseira, com 18,9% das intenções de voto, e em terceiro lugar, mais colado à socialista, aparece o ex-reitor da Universidade de Lisboa, Sampaio da Nóvoa, com 16,7%. Mais distantes aparecem os candidatos do Bloco de Esquerda e do PCP: Marisa Matias segue com 6,9% das intenções de voto e Edgar Silva com 5,2%. Mais longe ainda aparece o ex-militante socialista Henrique Neto (2,2%) e o defensor da luta contra a corrupção Paulo Morais (com 1,1%).

Com 48% dos votos, Marcelo ficaria a apenas dois pontos percentuais de ser eleito, já que é preciso maioria absoluta (50% mais um) para um candidato ser eleito à primeira volta. Certo é que, se for à segunda volta, a sua eleição adivinha-se muito pouco provável, uma vez que haverá certamente a junção dos votos da esquerda em torno do candidato daquela área política. 

Na semana em que, ao contrário de Marcelo, Maria de Belém decidiu abrir o jogo sobre o que faria na atual situação política (dava posse a António Costa), a ex-ministra da Saúde de Guterres aparece mais bem classificada do que o outro candidato da área socialista, o independente Sampaio da Nóvoa, que continua a contar com o apoio oficial de alguns nomes fortes do PS e dos três ex-Presidentes da República (Jorge Sampaio, Mário Soares e Ramalho Eanes).

De acordo com o Expresso, Marcelo é a opção preferida pelas mulheres e pelo eleitorado mais jovem e mais velho, descendo nas intenções de voto do eleitorado de meia-idade. Maria de Belém, pelo contrário, é mais popular entre os homens e os adultos de meia-idade.

A sondagem foi feita através de um total de 1848 entrevistas telefónicas realizadas entre 13 e 18 de novembro, sendo que 338 das pessoas contactadas não quiseram colaborar.

Marcelo acredita que não vai haver segunda volta

Ainda antes de os resultados do estudo da Eurosondagem terem sido tornados públicos, Marcelo afirmava aos jornalistas, à margem de uma audiência com a Confederação do Comércio e Serviços, que acredita que as eleições presidenciais de 24 de janeiro podem ficar decididas à primeira volta.

Quando estava na pele de comentador político, ainda antes de se assumir como candidato a Belém, Marcelo defendia que uma segunda volta seria inevitável. Mas neste momento admite que possa não haver, e que tudo fique resolvido na primeira votação.

Sobre se gostaria de ter o apoio do PSD numa primeira volta, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou que a sua candidatura “é independente” e que está “aberto a todos os apoios”, não pedindo “apoios a ninguém”, sejam eles partidos ou grupos de cidadãos. Mas aceita quem o quiser apoiar.

“Isso não retira um milímetro à independência da minha candidatura porque também disse mais de uma vez: o Presidente não é um líder partidário. O Presidente existe para unir os portugueses e para representar todos os portugueses”, disse, citado pela agência Lusa.