Rádio Observador

País

Portugal tem “extraordinário clima de tolerância e diálogo inter-religioso,” diz comissário

Pedro Calado, Alto-Comissário para as Migrações, defendeu que Portugal tem um "clima de tolerância e diálogo inter-religioso" e por isso pode ser um exemplo para outros países europeus.

As declarações do Alto-Comissário para as Migrações foram proferidas na Mesquita Central de Lisboa antes da realização de uma tertúlia sobre o Estado Islâmico e os desafios para a Europa

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Alto-Comissário para as Migrações defendeu que Portugal tem um “clima de tolerância e diálogo inter-religioso” que pode servir de exemplo a outros países europeus.

“Nestes tempos de sobressalto, Portugal tem um extraordinário clima de tolerância e diálogo inter-religioso, o que pode torná-lo exemplar para outros países europeus”, afirmou hoje Pedro Calado, Alto-Comissário para as Migrações, à agência Lusa.

Falando na Mesquita Central de Lisboa, momentos antes do início da tertúlia “O autoproclamado Estado Islâmico, os refugiados e os desafios que se colocam à Europa”, Pedro Calado alertou para a importância de “não confundir agressores e vítimas no caso dos refugiados, sob pena de estes se tornarem duplamente vítimas”.

“Um dos atuais desafios europeus é equilibrar a segurança com a tolerância, que é um valor civilizacional a preservar”, afirmou o Alto-Comissário para as Migrações à Lusa, acrescentando que “o grande objetivo destas iniciativas é passar uma mensagem de serenidade e segurança”, nomeadamente face à comunidade islâmica, atualmente com cerca de 50.000 pessoas em Portugal.

Por seu lado, Emília Lisboa, coordenadora do Gabinete de Asilo e Refugiados do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, sublinhou que “não há evidências de que os atentados tenham sido cometidos por infiltrados integrados na vaga de refugiados, tudo apontando para indivíduos já residentes na União Europeia”, pelo que “não faz sentido alimentar receios com base em especulações”.

“Os refugiados procuram escapar às violações de direitos humanos, à guerra e ao terrorismo nos seus países de origem”, disse ainda Emília Lisboa à agência Lusa, também a poucos minutos de intervir na tertúlia organizada pelo Clube de Filosofia Al-Mu’tamid, da Universidade Lusófona, em parceria com a Comunidade Islâmica de Lisboa.

Igualmente presente na iniciativa, Abdool Vakil, presidente da Comunidade Islâmica de Lisboa, salientou que “as pessoas questionam o acolhimento dos refugiados, mas ajudar os necessitados, socorrer os que pedem auxílio, é um gesto muçulmano, tal como é judaico ou cristão, é um ato de humanidade transversal a várias religiões”.

Em declarações à Lusa, Abdool Vakil referiu também que “o autoproclamado Estado Islâmico, que usa essa designação abusivamente, não tem qualquer direito de matar, gesto que é, inclusive, contrário ao Islão”, e deu o exemplo de “termos que estão a ser deturpados”, caso de ‘jihad’, que significa, na realidade, “o controlo da alma para resistir às tentações do mal”.

Além de Pedro Calado, Emília Lisboa e Abdool Vakil, estava também prevista na tertúlia a presença de Rui Pereira, presidente do Observatório de Segurança, Crime Organizado e Terrorismo e antigo Ministro da Administração Interna, e Ziyaad Yousef, assistente do ex-presidente norte-americano Jimmy Carter, jornalista da BBC e dirigente da ONG “Save the Children” em Jerusalém.

A tertúlia, aguardada por cerca de 70 pessoas, foi antecedida da apresentação do livro “Mais um estranho na escola”, da autoria de Alexandre Honrado e Paulo Mendes Pinto, com ilustrações de Joana Rita.

O volume é o primeiro de uma série destinada a explicar as religiões às crianças e que conta já com um segundo título, “Jesus vive na rua”, dos mesmos autores e ilustrado por Dara Deer.

Também moderador da tertúlia, Paulo Mendes Pinto, responsável pela área de Ciência das Religiões na Universidade Lusófona, explicou à Lusa que esta iniciativa, a 18.ª em menos de dois anos, visa “mostrar que o religioso só faz sentido na sociedade através do cívico”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)