Rádio Observador

Cimeira do Clima 2015

Cimeira do Clima. Primeiras medidas de financiamento para países pobres

144

Promover as energias renováveis, aumentar a resiliência às alterações climáticas, criar medidas de adaptação, são algumas das iniciativas lançadas esta terça-feira para apoiar os países vulneráveis.

Um dos objetivos do financiamento é ajudar países vulneráveis às cheias

Paula Bronstein/Getty Images

Ao segundo dia da Conferência do Clima em Paris, deu-se continuidade à cerimónia de abertura, o Evento dos Líderes, para que todos os 147 chefes de Estado inscritos usassem dos três minutos a que tinham direito para resumirem que compromissos esperam assumir durante o evento. Ao longo do dia vários chefes de Estado participaram ainda em eventos paralelos para apresentar novas medidas e compromissos no combate às alterações climáticas, conforme comunicado de imprensa da Convenção-Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (UNFCCC, na sigla em inglês para United Nations Framework Convention on Climate Change).

A Índia e a França lançaram uma Aliança Internacional para Energia Solar,que visa promover este tipo de energia nos países em desenvolvimento. Esta iniciativa mobiliza 120 países a arranjar um bilião de dólares (cerca de 0,94 biliões de euros) até 2030.

A Missão Inovação foi lançada por 20 países ricos e uma iniciativa do domínio privado encabeçada por Bill Gates. O objetivo é duplicar o investimento nesta área, sobretudo em relação às energias limpas, e chegar aos 20 mil milhões de dólares (cerca de 18,8 mil milhões de euros) em cinco anos.

Alemanha, Canadá, Chile, Etiópia, França e México, juntamente com o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional (FMI) apelam a que as empresas e os países a colocar um preço sobre o carbono para conduzir o investimento para medidas ambientalmente mais sustentáveis.

A iniciativa Transformative Carbon Asset Facility pretende ajudar os países em desenvolvimento a implentar planos de redução de gases com efeito de estufa. Este programa é financiado em 500 milhões de dólares (cerca de 470 milhões de euros) pelo Banco Mundial, Alemanha, Noruega, Suécia e Suíça.

Uma coligação de 40 governos, centenas de empresas e organizações internacionais, como Friends of Fossil Fuel Subsidy Reform e The Prince of Wales’s Corporate Leaders Group, pediu, esta terça-feira, que se acabassem com os subsídios aos combustíveis fósseis.

Anticipar, Absorver, Remodelar” é uma iniciativa lançada pelo secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon, para aumentar a resiliência das populações. A ajuda, que tem uma duração de cinco anos, destina-se às 634 milhões de pessoas que vivem nas zonas costeiras ameaçadas pelas alterações climáticas ou zonas de risco para secas e cheias.

Onze mecenas contribuíram com 250 milhões de dólares (cerca de 235 milhões de euros) para o Fundo dos Países Menos Desenvolvidos para apoiar as medidas de adaptação nos países mais vulneráveis.

As florestas são uma solução-chave para o clima. Assim o alegaram os chefes de Estado com as maiores florestas e os respetivos parceiros, que querem promover o desenvolvimento rural, aumentar a restauração florestal e a reverter a desflorestação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)