Rádio Observador

Cimeira do Clima 2015

Sessão de abertura: líderes mundiais querem acordo universal e eficaz

No Evento dos Líderes em Paris, integrado na Conferência do Clima 2015, já falaram alguns líderes mundiais, como o presidente norte-americano, russo e chinês. Veja o que esperam desta COP21.

A "foto de família" dos líderes mundiais presentes na COP21

MARTIN BUREAU/AFP/Getty Images

“Precisamos de um acordo universal, significativo e robusto em Paris”, disse o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-Moon. O líder ONU acrescenta que temos de acabar com a “diplomacia arriscada” porque “um momento político como este pode nunca mais surgir”. As declarações surgem na abertura do Evento dos Líderes, a primeira sessão da Conferência do Clima que se iniciou esta segunda-feira.

O presidente francês, François Hollande, considera que a presença dos líderes e chefes de Estado é um sinal de esperança e incita todos os participantes na conferência a deixar um “planeta preservado e viável” para as “nossas crianças”. “Aqui, em Paris, vamos decidir o futuro do planeta.” O presidente francês lembra que o maior problema não é ter grandes objetivos e falhar, mas ser pouco ambicioso e não fazer mais do que isso. Para reforçar a importância deste encontro e do acordo que dele pode resultar, Hollande afirma que as alterações são, a par do terrorismo, um dos principais desafios da humanidade.

O presidente da 21ª Conferência das Partes (COP21), Laurent Fabius, lembra que existem três condições-chave para o sucesso desta COP. “A primeira condição para o sucesso já foi preenchida, por causa da vossa presença”, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros e do Desenvolvimento Internacional francês. “A segunda condição é que queríamos agentes não governamentais cá representados.” A terceira condição apontada por Laurent Fabius reforça o apelo de Ban Ki-Moon: “Temos de chegar a um acordo climático universal e ambicioso até ao final da COP21”.

Mais do que um acordo universal e ambicioso, a União Europeia defende um acordo vinculativo. Também a presidente brasileira, Dilma Rousseff, defende que o acordo tenha força de lei e que tenha uma cláusula de revisão periódica. Defendo a ajuda aos países mais pobres, Dilma Rouseff referiu que esta não depende apenas da ajuda financeira. Uma das propostas para esta COP é a partilha de conhecimentos na área da inovação no aproveitamento de energias renováveis.

Com tantos líderes mundiais juntos, o presidente norte-americano, Barack Obama, considera que: “Aqui, em Paris, podemos mostrar ao mundo do que somos capazes quando estamos juntos”. “Somos a primeira geração que sente o impacto das alterações climáticas e a última que pode mudar a situação.” Para Barack Obama os argumentos antigos para a inação foram quebrados e isso “deve dar-nos esperança”.

Um acordo abrangente, eficaz e igualitária é defendido pelo presidente russo, Vladimir Putin. O líder mundial lembrou que: “Ao reduzir as emissões de gases com efeito de estufa, podemos modernizar-nos e duplicar o PIB do nosso país”. Além disso, Putin reforçou o papel importante que têm as florestas enquanto “pulmões do planeta”.

“Poucas vezes tantas pessoas puseram a sua confiança nas mãos de tão poucos”, disse o príncipe Carlos, do Reino Unido. A chanceler alemã, Angela Merkel, reforçou que há milhares pessoas que depositaram as esperanças no que está a ser feito em Paris e que por isso devem ser cumpridas as promessas feitas em Copenhaga.

Nas declarações no Evento dos Líderes, a secretária executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (UNFCCC, na sigla em inglês para United Nations Framework Convention on Climate Change), Christiana Figueres, concordou com Angela Merkel: “Os olhos de milhares de pessoas em todo o mundo estão postos em vocês”. “Caros amigos, nunca antes uma responsabilidade tão grande esteve nas mãos de tão poucos.”

Mas além das grandes potencias mundiais, o sucesso da COP depende também das economias emergentes como a China, Índia ou Brasil. O presidente chinês, Xi Jinping, disse que o acordo de Paris deve ter em conta a situação dos países em desenvolvimento. Mas a China já não é colocada a par dos países realmente pobres. “O princípio da responsabilidade compartilhada deve ser preservada”, disse Xi Jinping. “Precisamos de mais diálogo para chegar a um acordo coletivo.” Para o presidente chinês a “COP21 não é uma meta, mas um novo ponto de partida”.

Apesar das dificuldades económicas que enfrentam, o primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, disse que o ambiente é um tema forte na agenda política e social do país. Tsipras também defende um acordo vinculativo, transparente e responsável. Mas acima de tudo, o primeiro-ministro grego alerta que: “Não podemos ter decisões políticas para o futuro do planeta baseadas na maximização do lucro. Não podemos entregar as nossas vidas aos mercados e às corporações multinacionais”.

O presidente dos Estados Federais da Micronésia, Peter Christian, começou o discurso afirmando que os pequenos Estados-ilha, como aquele, não precisam de ser convencidos sobre as alterações climáticas, porque já estão convencidos. Não fossem os Estados-ilha algumas das regiões do planeta que correm mais riscos com as alterações climáticas, em particular com a subida do nível da água. “Como disse [na reunião das] Nações Unidas em setembro, não vou negociar nos pormenores, porque aí é onde o demónio é rei.”

Pode encontrar outras declarações aqui.

Última atualização às 21h00

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)