O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, que tem sido um dos mais fortes opositores à entrada de refugiados na União Europeia, veio agora a público afirmar que a Alemanha fez um “acordo secreto” com a Turquia para receber até meio milhão de migrantes.

Esta negociação, que não faz parte do acordo tornado público entre alemães e turcos com vista a controlar o fluxo de refugiados, pode ser, segundo Orban, anunciado nos próximos dias.

O político húngaro afirmou, citado pela Bloomberg, que “para além do que foi acordado com a Turquia em Bruxelas existe algo que não está no acordo”, antes de revelar que “vamos perceber um dia, e penso que isto será anunciado em Berlim ainda esta semana, que temos de receber entre 400 mil a 500 mil de refugiados diretamente da Turquia”.

Este acordo oficial de que fala Orban foi assinado em setembro e previa a recolocação de 160 mil refugiados que estão, neste momento, em Itália e a na Grécia, para além de um financiamento da União Europeia à Turquia que pode chegar aos 3 mil milhões de euros com o objetivo de apoiar o país no estabelecimento de campos de refugiados e para travar o fluxo atual.

Como conta a Bloomberg, este plano para acolher pessoas diretamente da Turquia já tinha sido discutido no encontro de líderes da União Europeia em Malta no mês passado, mas nunca se chegou a uma conclusão porque alguns países, incluindo a Hungria, ameaçaram utilizar o poder de veto para cancelar as negociações.

Por isso, Viktor Orban avisa ainda que “vai haver uma pressão enorme” sobre os vários Estados membros para aceitar os trâmites do acordo e para “distribuí-los (aos refugiados) de acordo com as quotas” que foram propostas pela União e que a Hungria já rejeitou repetidamente. “Esta desagradável surpresa ainda está à espera dos europeus”, conclui o húngaro.