Um porta-voz disse que o suspeito, que não foi identificado, tinha telefonado a Hasna Aitboulachen, o primo do líder Abdelhamid Abaaoud, por diversas vezes antes dos ataques do 13 de novembro e cinco dias depois da operação das forças policiais em que os dois morreram.