Manuel Delgado falava aos jornalistas no final de uma visita ao centro de saúde de Sete Rios, em Lisboa, onde se referiu o Plano de Contingência para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) e ao alargamento previsto dos horários dos centros de saúde na região.

De acordo com o governante, a aposta do ministério da Saúde passa pelo alargamento dos horários de funcionamento dos centros de saúde, “flexível” e determinado “em função da procura das urgências hospitalares”. O objectivo é proporcionar um “apoio mais rápido” e “eficaz” aos doentes, que poderão conhecer os períodos de abertura dos centros nos sites das respectivas Administrações Regionais de Saúde (ARS).

O “pico” da gripe ainda não foi atingido, mas o secretário de Estado assegurou que “a solução vai ser devidamente acautelada” e que existe ainda “margem para alargar a capacidade de resposta, não tanto ao nível dos profissionais, mas ao nível de mais camas para internamento”.

Deixou um apelo no sentido de as pessoas que se sentem doentes não irem de imediato para a urgência hospitalar. Deverão, antes, telefonar para a linha Saúde 24 (808242424), a partir da qual serão direccionadas “para o atendimento mais adequado, como o centro de saúde mais próximo da sua residência”.

Sobre a situação dos hospitais, o governante disse que “as urgências têm as escalas médicas nos limites e devidamente apetrechadas. Têm uma lotação em camas suficiente e conseguimos que, através dos planos de contingência, criassem mais camas adicionais para ocorrer a situações de internamento”, especificou.

De acordo com os respectivos planos de contingência, os hospitais terão a possibilidade de encaminhar os doentes para outras unidades menos procuradas.