Rádio Observador

Turquia

8 turistas alemães entre os 10 mortos em atentado. Turquia culpa Estado Islâmico

331

O atentado em Istambul desta terça-feira causou a morte a 10 pessoas: oito delas eram turistas alemães. Não há vítimas portuguesas. PM turco diz que o responsável é militante do Estado Islâmico.

A zona de Sultanahmet atrai normalmente uma grande afluência de turistas.

AFP/Getty Images

Atualizado às 18h44

Um explosão na praça Sultanahmet, entre a basílica de Santa Sofia e a Mesquita Azul, no centro histórico e turístico de Istambul, provocou a morte de pelo menos 10 pessoas e fez 15 feridos. Oito das vítimas mortais são turistas alemães, confirmou o ministro alemão dos Assuntos Externos, Frank-Walter Steinmeier, que deixou ainda um aviso: “Não nos deixaremos intimidar pelo terrorismo”, disse. Segundo a agência Reuters, o ministro dos assuntos externos do Peru afirmou que outra das vítimas mortais é peruana.

O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, já veio a público afirmar, citado pela Associated Press, que o bombista que perpetuou o ataque é militante do Estado Islâmico. Depois de ter comunicado com a chanceler Angela Merkel pelo telefone, em que expressou as suas condolências, o PM do país afirmou, citado pela BBC: “Descobrimos que o responsável pelo ataque é um estrangeiro que é membro do Daesh”

Antes, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, já havia confirmado que a explosão tinha sido provocada por um bombista suicida de “origem síria” nascido em 1988 e que a maioria dos mortos registados são de nacionalidade estrangeira.

Ao Diário Económico o ministério dos Negócios Estrangeiros português afirmou que “não é expectável que existam vítimas portuguesas”. À TSF José Luís Carneiro, secretário de Estado das Comunidades adiantou ainda que, pelas informações recolhidas através do consulado luso na cidade, o número de vítimas mortais é agora de 10, sendo que a maioria são alemães e um japonês – a nacionalidade dos restantes estará ainda por identificar. No entanto, a Associated Press aponta para a existência de nove turistas germânicos entre as vítimas mortais.

A agência de notícias turca Dogan noticiou ainda que entre os feridos estão pelo menos seis alemães, um norueguês e um peruano. O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Noruega diz que está a trabalhar em conjunto com a embaixada do país na Turquia para esclarecer a situação dos seus cidadãos. Também o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão já aconselhou os turistas germânicos a evitarem locais com multidões avisando que podem ocorrer novos “ataques terroristas” na Turquia.

A Chanceler Angela Merkel afirmou que, provavelmente, entre as vítimas estão cidadãos alemães: “Estamos muito preocupados que cidadãos alemães podem e provavelmente estão entre as vítimas”, afirmou Merkel numa conferência de imprensa e citada pelo jornal The Guardian.

Já no passado mês de outubro uma explosões durante uma manifestação pacífica organizada por ativistas na capital Ancara provocou 103 mortos. A Turquia responsabilizou na altura o autoproclamado Estado Islâmico pelo atentado.

Entretanto começaram já a chegar imagens do local:

Estas imagens da Sky News mostram também alguma apreensão das autoridades ao evacuar as pessoas do local da explosão:

As reações ao ataque na cidade turca já começaram a surgir. O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, condenou aquele que considerou um “brutal ataque terrorista em Istambul”. Já a conta oficial de Twitter do Presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, condenou o ataque e pediu “unidade e determinação” para enfrentar o terrorismo:

Num comunicado conjunto, a Alta Representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini, e o Comissário responsável pela Política Europeia de Vizinhança, Johannes Hahn, enviaram também “sinceras condolências às famílias das vítimas”, desejando igualmente a “rápida recuperação dos feridos”. No documento lê-se ainda que a “UE e a Turquia continuam unidos contra todas as formas de terrorismo.”

O Secretário-Geral da NATO, Jens Stoltenberg, condenou igualmente o “ataque terrorista” garantindo que todos os aliados estão “unidos na luta contra o terrorismo”. Já Ban Ki-Moon, segundo relata o iTele, classificou o atentado como um ataque “desprezível”.

O presidente francês também já comentou o atentado. Tal como já havia feito o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, François Hollande decidiu expressar a sua solidariedade e condenar os ataques “odiosos” feitos em Istambul:

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Pode haver acordo em Bruxelas /premium

João Marques de Almeida

O Brexit já acabou com dois líderes conservadores. Desconfio que também acabará com um líder trabalhista. A Europa não divide apenas os conservadores. Também divide, e muito, os trabalhistas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)