Uma pessoa morreu na noite de sexta-feira, nos Açores, depois de o furacão Alex ter impedido um helicóptero da Força Aérea de a transportar para um hospital, informou a presidência do Governo Regional.

O utente, sinalizado pela Unidade de Saúde de Ilha (USI) das Flores, deveria ter sido transportado para o hospital mais próximo para receber assistência, mas acabou por morrer, pelas 14 horas, após uma paragem cardiorrespiratória, quando estavam reunidas as condições atmosféricas para o helicóptero da Força Aérea o transportar. Um outro utente, também sinalizado pela mesma unidade de saúde, conseguiu ser transportado, às 16:49, para o Hospital de Santo Espírito, na ilha Terceira.

O Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores recebeu dois pedidos de assistência hospitalar por parte da USI das Flores, um primeiro às 21 horas de quinta-feira e um segundo às 3h55 de sábado. A Força Aérea considerou que não estavam reunidas, na altura, em ambos os casos, as condições de segurança para voar para as Flores, devido à aproximação do furacão Alex.

Horas mais tarde, às 11h10, a Base das Lajes, na ilha Terceira, comunicou ao Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores que estavam reunidas as condições de segurança para o helicóptero voar para as Flores.

Durante o tempo de espera pelo transporte aéreo, “o médico da USI das Flores foi sendo devidamente acompanhado pelo médico regulador” do Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores e pelo médico da Unidade de Cuidados Intensivos do Hospital da Horta, através dos sistemas de telemedicina e telemonitorização”, assegura a presidência do Governo Regional, numa nota publicada na sua página na internet.

A Proteção Civil e os Bombeiros dos Açores receberem um terceiro pedido de assistência, mas por parte da Unidade de Saúde de Ilha de São Jorge, às 20:54 de quinta-feira. Neste caso, o utente foi transportado “de imediato” num helicóptero da Força Aérea para a Base das Lajes.