A água é o principal componente nos núcleos dos cometas. No 67P/Churyumov-Gerasimenko já se tinha encontrado água sob a forma de vapor no coma – ou nuvem de poeira e gás que o rodeia -, assim como vestígios da presença intermitente de gelo na superfície.

Agora, novos dados obtidos pelo instrumento VIRTIS-M a bordo da sonda Rosetta, confirmou que existe água gelada no próprio núcleo do 67P, numa área chamada Imhotep. Na imagem estão assinalados (com uma seta amarela e outra branca) os lugares onde foi encontrado esse gelo.

Rosetta-detecta-el-hielo-de-agua-expuesto-sobre-el-cometa-67P_image800_ESA_1

Os locais, no cometa 67/P, onde foi identificado o gelo pelo equipamento VIRTIS-M da sonda Rosetta – ROSETTA NAVCAM/ESA

O estudo, publicado na Nature na passada semana, foi realizado por uma equipa internacional liderada por Gianrico Filacchione, do Instituto de Astrofísica Espacial e Planetologia em Roma (Itália).

A análise dos dados captados por infravermelhos, fornecidos pelo equipamento VIRTIS-M da sonda, identificou grãos de água gelada de tamanho milimétrico – maiores do que os que foram encontrados até agora – e outros de cerca de 50 micrómetros, misturados com material escuro.

Os investigadores acreditam que grãos maiores podem ter tido origem numa exposição ocasional, e evaporação subsequente, das camadas ricas de gelo no interior do cometa, ou pela fusão de grãos menores.

Isto é consistente com a existência de um núcleo de estrutura em camadas no cometa 67P, em que a camada desidratada pode estar a cobrir camadas ricas em água gelada.

Texto original aqui.