A vacina contra o vírus zika “demorará, pelo menos, 18 meses até poder ser administrada em larga escala”. A informação foi avançada esta sexta-feira pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Até ao momento, no entanto, há dois laboratórios cuja investigação parece estar num estado mais avançado, adiantou a OMS, citada pela Reuters.

Este cenário pode abrir boas perspectivas no combate a uma epidemia que a OMS já admitiu poder vir a ser uma ameaça maior do que o ébola.

No plano da prevenção e de diagnóstico as notícias também são ligeiramente animadoras – o primeiro teste estará pronto numa questão de semanas, garantiu Marie-Paule Kieny, diretora-adjunta da OMS. “Para a validação do primeiro teste estamos a falar de uma questão de semanas e não de anos”, sublinhou a responsável.

No horizonte estão três tipos de testes – um deles de diagnóstico rápido – que podem ser comercializados dentro em breve.