O governo português vai estar sob a pressão dos ministros das Finanças da zona euro, na próxima reunião do Eurogrupo, para a mudar a sua política económica, devido aos receios de um regresso da crise da dívida soberana. A informação está a ser avançada pela revista alemã Der Spiegel que cita responsáveis em Berlim e em Bruxelas sem os identificar. A reunião do Eurogrupo realiza-se já na próxima semana.

A subida dos prémios de risco exigidos pelos investidores para comprarem dívida pública portuguesa está a ser visto como um sinal de Portugal poderá enfrentar problemas de financiamento em mercado, acrescenta o jornal alemão. E há receios de que a desconfiança regresse à zona euro, podendo contagiar a França e a Itália.

Ainda segundo o artigo da Der Spiegel, citado pela Bloomberg, o governo alemão e a Comissão Europeia receiam que Portugal poderá ter de recorrer um novo financiamento junto do ESM (mecanismo europeu de estabilidade), No entanto, fonte oficial ESM contactada pela Bloomberg é categórica a desmentir este cenário mais radical: Um novo programa de assistência financeira a Portugal não está a ser considerado.

A reversão de medidas do lado da receita e da despesa, com a reposição mais rápida dos cortes salariais, o aumento do salário mínimo e o abrandamento no ritmo de redução do défice, são as políticas do governo liderado por António Costa que estarão a colocar novamente o país sob a pressão dos mercados, acrescenta o Der Speigel.