Uma patrulha de pombos, equipada com sensores, foi enviada para sobrevoar os céus londrinos. Objetivo da missão? Monitorizar constantemente a qualidade do ar da capital do Reino Unido.

O projeto mereceu o destaque dos britânicos Independent e The Guardian. A ideia é, aparentemente, simples: as tropas da Patrulha Aérea carregam um pequeno dispositivo — semelhante a uma mochila — que mede os níveis de dióxido de nitrogénio, um gás que afeta diretamente o sistema respiratório, e de ozono troposférico (O3).

Com os pombos-patrulha a recolherem os dados em permanência, qualquer pessoa que queira aceder à informação sobre a qualidade do ar tem de enviar apenas um tweet — a resposta da equipa será automática, que passa a classificar a qualidade do ar através de uma escala que vai de “Fresco” a “Extremo”.

Exemplos dos equipamentos transportados pelos pombos

Não é caso para menos: segundo um relatório publicado pela Agência Europeia do Meio Ambiente (AEMA) em 2015, a exposição ao ozono troposférico e ao dióxido de nitrogénio provocou a morte prematura a, respetivamente, 17.000 e a 75.000 pessoas, só em 2013 — e isto tendo em conta apenas os dados recolhidos nos Estados-membros da União Europeia.

O Independent, de resto, acrescenta um novo dado: a 8 de janeiro, a cidade de Londres ultrapassou o limite legal de poluição do ar definido para todo o ano de 2016. Acredita-se, mesmo, que a má qualidade do ar londrino seja responsável por milhares de mortes prematuras por ano.

Ao The Guardian, Pierre Duquesnoy, responsável pelo projeto, fez questão de desmontar um lugar-comum: “Na maioria das vezes, quando falamos de poluição, as pessoas pensam em Pequim ou noutros lugares. Mas houve dias do ano em que a poluição foi maior e mais tóxica em Londres do que em Pequim. Essa é a realidade. [E] é um escândalo. É um escândalo de saúde pública e de ambiente.”

A patrulha é composta apenas por pombos devidamente treinados e não pelos seus congéneres citadinos. Os animais foram lançados esta segunda-feira e deverão sobrevoar os céus londrinos durante apenas três dias. O objetivo deste projeto, explicou Pierre Duquesnoy, não é encontrar uma solução permanente para o problema da poluição, mas sim sensibilizar de alguma forma as autoridades para esta questão.

O projeto foi pensado pela Plume Labs, uma startup que está neste momento a angariar fundos através de crowdfunding para ajudar a desenvolver o sensor Plume, um medidor pessoal de qualidade de ar que pode facilmente dizer ao utilizador o nível de poluição a que está sujeito.