Segurança

Reforçadas medidas de segurança em Portugal após mensagem do Estado Islâmico

Secretária-geral do Sistema de Segurança Interna admitiu um reforço das medidas de segurança na sequência de uma mensagem do grupo extremista Estado Islâmico com referência a Portugal.

Helena Fazenda, secretária-geral do Sistema de Segurança Interna

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna, Helena Fazenda, admitiu esta quinta-feira um reforço das medidas de segurança na sequência de uma mensagem do grupo extremista Estado Islâmico com referência a Portugal.

“A situação foi conhecida e foram tomadas as medidas de reforço e articulação entre as forças de segurança”, disse à Lusa Helena Fazenda quando questionada sobre uma notícia do Expresso que dá conta de que o grupo Estado Islâmico (Daesh) divulgou uma mensagem com referências a Portugal e à Hungria.

“Hoje Bruxelas e o aeroporto belga, amanhã talvez Portugal ou Hungria”, refere a mensagem divulgada pelo jornal.

Perante a missiva do grupo extremista, a secretária-geral do Sistema de Segurança Interna referiu que “foram tomadas as medidas de reforço que tinham que ser tomadas, incluindo nos aeroportos, no contexto do que foi publicitado [mensagem], havendo uma articulação de todos as forças e serviços de segurança, incluindo os serviços de informações”. Questionada sobre a veracidade da alegada mensagem do Daesh, Helena Fazenda não se quis pronunciar.

Entretanto, o gabinete de imprensa da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, referiu que “as autoridades portuguesas estão a acompanhar esta informação, como fazem com todas as outras, direta ou indiretamente que façam referência a Portugal ou a cidadãos portugueses”.

Fonte das forças e serviços de segurança portugueses adiantou à Lusa que, após o conhecimento da mensagem, houve um reforço das medidas de vigilância nos aeroportos portugueses, apesar do nível de alerta se manter inalterado (moderado).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)