Millennium Estoril Open

Fotogaleria. O ténis de antigamente era chique

Um futuro rei a dar uns toques, Yannick Noah e Bjorn Borg a fazer das suas e bolas em bandejas. Bom, o melhor é viajar até à década de 20 e andar até aos anos 80. Só porque o Estoril Open começa hoje.

Autores
  • Hugo Tavares da Silva
  • Rita Ferreira

Olhar para trás é sempre mais sedutor do que imaginar o futuro. Nem que seja por todas as lendas, nostalgias e melancolias. Pelas batalhas épicas, pelas desilusões inesquecíveis e pelas histórias paralelas. O Estoril Open começa este sábado, por isso o Observador opta por dar uso ao retrovisor e lembrar algumas estrelas do passado ou imagens que deram um belo boneco e que mostraram o lado mais cool do ténis.

Peguemos em Bjorn Borg, por exemplo. O sueco foi o rei da terra batida durante muito, muito tempo. Borg ganhou seis troféus nas oito edições, entre 1974 e 1981, de Roland Garros, o que foi fenomenal. Faltavam cinco anos para nascer o homem que o iria destronar. Sim, falamos de Rafael Nadal. O Iceman chegou ao topo do mundo, que é como quem diz à liderança do circuito ATP, em 1977. Não é difícil de imaginar porquê, quando se vasculha a papelada virtual e se percebe que o homem ganhou 609 dos 746 jogos que disputou. O tenista natural de Estocolmo amealhou quase quatro milhões de dólares e meteu no bolso 64 medalhas de vencedor. Mais tarde, Nadal ganharia nove (!) canecos de Roland Garros, torneio que tem lugar em Paris. Por isso, numa qualquer fotogaleria em 2068, Rafa será um dos destaques, certamente.

Mas esta fotogaleria tem mais. Tem homens e mulheres a fabricar raquetes de ténis e ainda outros a transportar bolas acabadinhas de produzir, colocadas em bandejas. Curioso é ver também o futuro rei de Inglaterra, George VI, a bater umas bolas. Ou duas senhoras a fazer uma pausa para acender um cigarro. Há também uma fotografia de René Lacoste, o tenista francês que fundou a sua marca de roupa em 1933. Well, boa viagem…

Veja a fotogaleria associada à fotografia principal.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desrespeito como forma de governar /premium

André Abrantes Amaral

Costa desvaloriza os factos, desconsidera e desrespeita as pessoas porque dessa forma se desresponsabiliza. Tal é possível porque o PS estagnou, não só a economia, mas também a essência da democracia.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)