Presidência da República

Marcelo vai condecorar porteira portuguesa do Bataclan

1.573

Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar Margarida de Sousa, a porteira portuguesa que ajudou a socorrer várias pessoas na noite dos atentados de Paris, por feitos "excecionais".

"Ninguém me disse nada", afirmou Margarida de Sousa ao DN

NUNO VEIGA/LUSA

Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar Margarida de Sousa, a porteira portuguesa que ajudou a socorrer dezenas de pessoas que procuravam abrigo durante os atentados de Paris, a 13 de novembro de 2015.

A informação é avançada pelo Diário de Notícias que conta também que a mulher de 57 anos, emigrante em Paris e porteira de profissão, ainda não terá sido informada sobre a condecoração. “Ninguém me disse nada. Continua tudo na mesma. As coisas só mudariam se ganhasse o euromilhões”, afirmou Margarida de Sousa ao DN.

O novo Presidente da República vai condecorar Margarida de Sousa por “feitos excecionais” protagonizados durante os ataques na capital francesa que vitimaram 137 pessoas (incluindo os sete terroristas).

Esta condecoração vem confirmar uma intenção de Marcelo: medalhas, sim, mas só para “feitos excecionais”. Marcelo quer pôr um travão ao ritmo com que são dadas condecorações em Portugal e vai começar já nas próximas comemorações do 10 de junho.

Com uma lista de agraciados bem mais curta do que é habitual, Margarida de Sousa vai ganhar assim um lugar na galeria de honra do país. Ela que já foi condecorada pela presidente da câmara de Paris, Anne Hidalgo.

Margarida de Santos Sousa é porteira num prédio mesmo ao lado do Bataclan, a sala de concertos onde morreram mais de 80 pessoas. Foi uma das primeiras pessoas a socorrer os feridos e acolheu quase 60 pessoas na noite de 13 de novembro.

Poucos dias depois do ataque, em declarações à TVI24, a porteira portuguesa contava como tudo acontecera. Naquele dia, houve muita a gente a entrar no prédio, alguns a “gritarem por socorro outros aleijados, cheios de sangue”. Cinco pessoas apresentavam ferimentos de bala, incluindo uma jovem que acolheu em sua casa, que tinha duas balas nas costas. Houve ainda uma outra jovem que se escondeu debaixo da mesa e gritava para Margarida de Sousa fechar a porta e as cortinas, e apagar as luzes.

À Rádio Renascença, Margarida de Sousa contava mais alguns detalhes. “Consegui fazer entrar algumas pessoas, entre elas uma jovem de 25 anos que vinha toda ferida e que já quase não conseguia andar. Soubemos depois que tinha duas balas nas costas. Outras quatro pessoas, uma menos ferida, mas outra com uma bala no braço e uma senhora com uma bala no peito”.

Um mês depois dos atentados, Margarida de Sousa disse à agência Lusa que não gostavam que lhe chamassem “heroína”. “Se me dizem que sou uma heroína, que sou uma estrela, sinto-me mal. Não, não. Eu era Margarida, sou Margarida e continuarei a ser sempre a mesma Margarida. Nem mais, nem menos. Quando o fiz, não era para ter jornalistas à porta nem câmaras nem ninguém a fazer-me perguntas. Para mim, sinceramente, foi aquele pânico e aquele horror em que tive de ajudar e dar carinho àquelas pessoas”, contou a emigrante portuguesa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PS

De novo, a propaganda socialista a chegar ao fim /premium

João Marques de Almeida

Uma certeza temos em relação aos governos do PS: está tudo a correr muito bem até ao dia em que começa tudo a correr muito mal. É quando a “política de comunicação” se torna curta para tanta realidade

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Segurança Social

Não tinha de ser assim /premium

Helena Matos
172

Em 1974, politicamente bloqueado, o país aguardava que os militares tratassem do assunto. O assunto era o Ultramar. Em 2019, o país está bloqueado de novo. O assunto chama-se Estado Social.

Administração Pública

A (Des)orientação ao Cidadão

Carlos Hernandez Jerónimo

Não basta produzir plataformas e sistemas mesmo que em co-criação com o cidadão, que apenas ligam dois pontos em linha reta e que ao mínimo desvio empurram o cidadão para o balcão e a fila de espera. 

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)