O diretor comercial da easyJet em Portugal apelou esta terça-feira à sensibilidade da ANA – Aeroportos de Portugal na hora de definir o aumento das taxas às companhias aéreas no próximo ano, recomendando que olhe para o exemplo de Espanha.

“Entendemos que o investimento realizado [pela Vinci na aquisição da ANA] foi forte, mas devia haver uma maior sensibilidade. Gostaríamos que a ANA/Vinci olhasse à volta e visse o que está a acontecer em Espanha, em que foi definido um crescimento nulo para os próximos anos”, defendeu o responsável da easyJet em Portugal, à margem da divulgação dos resultados da companhia aérea.

Em declarações à Lusa, José Lopes defendeu que “é importante que os outros atores compreendam a necessidade de cooperar”, realçando que com o continuado aumento das tarifas será “mais difícil continuar a crescer em Portugal”.

A preocupação da easyJet surge na sequência de uma primeira reunião com a ANA em que ficou patente que a gestora aeroportuária pretende manter a estratégia de aplicação do modelo regulatório.

“Este modelo regulatório permite aumentar [as taxas aeroportuárias], mas podiam não o fazer”, acrescentou.

O diretor comercial da easyJet destacou que a companhia inglesa conseguiu crescer em Portugal acima da média europeia, muito devido à redução da tarifa média cobrada aos passageiros.

As taxas aeroportuárias aumentaram em média 2,82% a 01 de janeiro: 4,44% em Lisboa, 1,41% no Porto, 0,73% nos Açores e 0,89% em Faro. Já no aeroporto da Madeira, as taxas sofrerão uma redução de 1,02% no próximo ano, sendo o único em que se verifica uma descida.

Um mês antes, a 01 de dezembro de 2015, as taxas cobradas às companhias tinham subido 5,38% no aeroporto de Lisboa e 1,90% no aeroporto do Porto, decorrente de um crescimento do tráfego acima do previsto.

Segundo a empresa liderada por Ponce de Leão, que desde o início de 2013 está nas mãos do grupo francês Vinci, este ajustamento tarifário resulta de um aumento do tráfego nestes dois aeroportos acima do previsto em 2014, um desvio de 4,6% na Portela e de 9,2% no aeroporto Francisco Sá Carneiro.

Para este ano, a easyJet reafirma a meta de ultrapassar os cinco milhões de passageiros transportados de e para Portugal, ultrapassando os dois milhões em Lisboa e os 1,4 milhões no aeroporto do Porto.

“Estamos confiantes que este ano conseguimos ultrapassar largamente os cinco milhões de passageiros de e para Portugal que definimos como meta”, declarou.