“Só porque aparece à esquerda de Donald Trump, isso não significa que seja alguém que representa a esquerda”, afirma Yanis Varoufakis sobre a candidata à nomeação do partido democrata nas eleições norte-americanas Hillary Clinton. O ex-ministro das Finanças da Grécia diz que “isso é como dizer que Átila, o Huno, estava à esquerda de Genghis Khan — não faz muito sentido”. Mais: Hillary Clinton é “uma pessoa perigosa”, diz Varoufakis.

Num vídeo produzido pela Business Insider, Yanis Varoufakis diz que “Hillary Clinton se excluiu do campo das políticas progressivas quando apoiou a guerra no Iraque. E quando, enquanto Secretária de Estado, participou na catástrofe que é a Líbia”. O ex-ministro das Finanças da Grécia falou, depois, de uma entrevista gravada em 2011 em que Hillary Clinton aparece a dizer, sobre Mouammar Kadhafi, “chegámos, vimos e ele morreu“, entre risos.

“Qualquer pessoa que comemora enquanto assiste à mutilação de outra pessoa, mesmo que se trate de um inimigo, é, na minha opinião, uma pessoa perigosa“, atira Yanis Varoufakis.

Além disso, diz Varoufakis, Hillary Clinton deixou de poder ser considerada uma responsável política progressista a partir do momento em que “se identificou completamente com [a praça financeira de] Wall Street e com os esforços movidos pela indústria financeira, após 2008, para evitar ser alvo de verdadeiras reformas, depois do colapso que esta causou”.

Hillary Clinton está a disputar a nomeação democrata com Bernie Sanders, senador do Estado do Vermont.

O ex-ministro das Finanças da Grécia, que no passado deu aulas numa universidade do Texas, lançou nas últimas semanas um livro em que relaciona a crise europeia com o futuro económico da América: And the Weak Suffer What They Must?: Europe’s Crisis and America’s Economic Future.