Banco de Portugal

Máximo dos Santos alerta para os perigos da concentração na banca

Luís Máximo dos Santos, nome proposto para o Banco de Portugal, alerta para os riscos da concentração bancária. Defende que capital estrangeiro deve ser o mais diversificado possível.

Tiago Petinga/LUSA

Luís Máximo dos Santos, um dos nomes indicados para o conselho de administração do Banco de Portugal, alertou para os riscos de uma concentração bancária durante a audição realizada esta terça-feira no Parlamento.

O resultado de uma concentração excessiva na banca amplia o fenómeno que se pretende contrariar que é a existência de bancos demasiado grandes para cair e que são mantidos em condições artificiais com custos para a economia e contribuintes. Não é preciso ser uma pessoa de esquerda para reconhecer o problema disse Máximo dos Santos citando o governador do Banco da Inglaterra. “Se um banco é demasiado grande para cair, é demasiado grande”.

As declarações do futuro administrador do Banco de Portugal surgem num contexto em que se anuncia um movimento de consolidação relevante na banca portuguesa, designadamente se o Novo Banco for comprado por uma instituição que tenha já uma dimensão importante no mercado português, como aconteceria se o comprador fosse o Santander, o BCP ou o BPI/CaixaBank.

O responsável não quis contudo esclarecer se defende a venda ou a manutenção do Novo Banco na esfera do Estado, lembrando que o processo de alienação está em curso e é uma decisão política. Máximo dos Santos é o presidente do Banco Espírito Santo após a resolução que deu origem ao Novo Banco em agosto de 2014.

Já sobre a manutenção da Caixa Geral de Depósitos no Estado, Máximo dos Santos esclarece que enquanto cidadão defende que o banco se deve manter integralmente público.

Questionado sobre o perigo da concentração do capital em investidores de um só país, um fenómeno que tem sido classificado por economistas e comentadores como a espanholização da banca, Máximo dos Santos apoia a diversificação da origem do investimento, por oposição à concentração num só país, até por causa da exposição da casa mãe do investidor a Portugal. “O melhor era que o capital fosse o mais diversificado possível.”

O responsável foi também questionado sobre o projeto de criação de um banco mau, um veículo para concentrar os ativos de má qualidade dos bancos nacionais. Máximo dos Santos realça que a necessidade está identificada, mas assinala que o modo de concretização tem de ser conciliado entre as autoridades nacionais e internacionais. Avisa ainda que bancos mais rentáveis não constituem, por si só, uma garantia de que a economia vai evoluir mais favoravelmente, mas são uma ajuda.

Regras europeias de resolução vão enfrentar críticas e oposição

Luís Máximo dos Santos deixou ainda um alerta para as consequências das novas regras europeias de resolução bancária. O bail-in (internalização das perdas) pode ser uma ideia atrativa porque os custos incidem primeiro sobre os credores. Mas “não exclui a possibilidade de os contribuintes serem atingidos”. Manifestou ainda reservas às decisões mais recentes sobre a união económica e financeira.

Apesar de ser preferível à liquidação, um cenário que deve ser evitado, o mecanismo de resolução é um terreno desconhecido e vai enfrentar “cada vez mais críticas. Duvido que não se comecem a levantar oposições crescentes” por parte do setor bancário face aos problemas levantados. Os bancos, enquanto contribuintes do Fundo de Resolução, são a seguir aos credores os principais responsáveis por cobrir o financiamento dos custos de uma intervenção em bancos.

Reconheceu ainda alguma falta de flexibilidade europeia na aplicação do modelo. “Com esta rigidez, sem modelos alternativos”, pode ser que quando a questão se vier colocar num grande banco europeu tenha de se mudar alguma coisa porque afinal o modelo não vai funcionar.

Os bancos portugueses têm sido pioneiros na aplicação destas regras. Primeiro foi a resolução do BES, com custos para a banca, e no final do ano passado aconteceu a resolução do Banif com perdas assumidas para os contribuintes.

Máximo dos Santos admitiu ainda que a autoridade nacional de resolução bancária poderia ficar em outra estrutura que não o Banco de Portugal, conforme já defendeu o governo.

As audições a Luís Máximo dos Santos e Elisa Ferreira, realizadas esta terça-feira na comissão de orçamento e finanças do Parlamento, vão dar origem a relatórios que serão votados para depois se instruir processo de nomeação para o conselho de administração do Banco de Portugal. Em relação a Máximo dos Santos, a presidente da comissão, Teresa Leal Coelho, concluiu que os deputados estão satisfeitos em relação à idoneidade e destaca que pela pesquisa feita há mais de 20 anos que não era nomeado um jurista para o Banco de Portugal.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)