A Associação de Estudantes do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital ameaçou esta quinta-feira encerrar a escola na época de exames, se não receber antes resposta do Governo sobre a remoção de materiais com amianto.

A associação revelou que, “no seguimento das anteriores diligências” sobre o problema realizadas nos últimos meses, tendo convidado o primeiro-ministro e o ministro da Educação para visitarem o agrupamento, enviou agora novas cartas a António Costa e Tiago Brandão Rodrigues, respetivamente, com conhecimento aos grupos parlamentares.

“Para garantir que o assunto não é esquecido e se não obtivermos resposta antes, encerraremos a escola na época de exames como forma de protesto”, adianta em comunicado, apelando a que o problema do amianto seja “resolvido o mais rápido possível, pois põe em questão a saúde de todos os que frequentam ou trabalham” no estabelecimento de ensino.

Nas cartas idênticas remetidas a António Costa e Tiago Brandão Rodrigues, a organização estudantil lamenta não ter recebido até agora qualquer resposta aos convites para visitarem o Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital, apesar da garantia de que “pelo menos uma” destas visitas seria realizada. Por outro lado, a secretária de Estado adjunta e da Educação assegurou aos estudantes “que o problema seria resolvido” até ao final de 2016.

“Até agora, não nos foi comunicada qualquer data em concreto para a solução do problema, nem qualquer outro tipo de informação acerca do mesmo”, sublinha a direção da Associação de Estudantes, que repete aqueles convites aos responsáveis do Governo. A presença do primeiro-ministro e do ministro da Educação na sede do agrupamento é solicitada para o dia 03 de junho, por ocasião da festa de encerramento do ano letivo.

“Seria um bom dia para a abordagem da comunidade escolar e para o reconhecimento do estado do material em questão”, sugere. A associação tinha também informado da situação os titulares das pastas da Saúde e do Ambiente.

Em janeiro, deputados do BE, CDS-PP, PCP, PEV, PS e PSD questionaram o Governo sobre a remoção dos materiais com amianto naquelas instalações de ensino, alertando para os riscos que a cobertura com esta substância causadora de doenças cancerígenas poderá ter para a saúde pública, tendo parlamentares de quase todos os partidos visitado a escola.