Rádio Observador

Museus

Quatro museus do Porto, Lisboa, Leiria e Pinhel disputam Museu Português 2016

210

O Museu da Misericórdia do Porto, o Museu Teatro Romano de Lisboa, o Museu Municipal de Leiria e o Museu Municipal de Pinhel estão nomeados para o Prémio Museu Português 2016, organizado pela Associação Portuguesa de Museologia.

Miguel A.Lopes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Museu da Misericórdia do Porto, o Museu Teatro Romano de Lisboa, o Museu Municipal de Leiria e o Museu Municipal de Pinhel estão nomeados para o Prémio Museu Português 2016, organizado pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM).

Contactado pela agência Lusa, João Neto, presidente da APOM, indicou que são estes os quatro finalistas apurados para o prémio de melhor museu, cujo vencedor vai ser anunciado na sexta-feira, numa sessão que se realiza a partir das 15:30, no Museu do Dinheiro, em Lisboa.

Este é um dos principais galardões de um palmarés com cerca de 30 categorias que esta entidade dedicada à museologia atribui anualmente, desde 1997, a museus, projetos, profissionais e atividades desenvolvidas no setor. Os prémios são referentes ao ano anterior à atribuição.

O Museu da Misericórdia do Porto, inaugurado em 2015 pela Santa Casa da Misericórdia do Porto, no centro da cidade, revisita os 500 anos de história daquela instituição e apresenta uma mostra das suas coleções de arte.

O percurso museológico integra a Igreja da Misericórdia, construção do século XVI, que recebeu uma grande intervenção no século XVIII, protagonizada por Nicolau Nasoni, e a Galeria dos Benfeitores, exemplar da arquitetura do ferro e vidro da cidade.

Construído na época do Imperador Augusto, o Teatro Romano de Lisboa, ocupa a vertente sul da colina do Castelo e apresenta um percurso com uma área de exposição, um campo arqueológico e as ruínas do teatro.

Além da exposição de materiais e elementos recolhidos, o museu disponibiliza suportes multimédia com informação sobre o Teatro Romano e a sua história, atualizando os dados sobre a arqueologia, os planos de conservação e recuperação.

Abandonado no século IV d.C., permaneceu soterrado até 1798, ano em que as ruínas foram descobertas durante a reconstrução pós-terramoto.

Foi objeto de várias campanhas arqueológicas, desde 1967, que recuperaram parte das bancadas, da orquestra, da boca de cena e do palco e um conjunto de elementos decorativos.

O Museu Municipal de Leiria – cuja origem remonta a 1917, com a criação do Museu Regional de Obras de Arte, Arqueologia e Numismática de Leiria – foi inaugurado em 2015, com um conteúdo que enquadra o acervo do antigo museu, as coleções artísticas municipais e a reserva arqueológica.

Possui dois espaços expositivos: o primeiro faz uma leitura geral da história do território, com objetos, acontecimentos e mitos, e, no segundo, são apresentadas exposições temporárias que aprofundam temáticas e coleções específicas.

O novo Museu Municipal de Pinhel, distrito da Guarda, inaugurado em 2015, acompanha a história do território, desde os materiais arqueológicos da pré-história, a ocupação romana, a época medieval, com objetos militares.

O período moderno é representado, entre outras peças, com esculturas provenientes de igrejas e capelas desaparecidas, exposição de bandeiras dos ofícios, tradicionalmente usadas em procissões.

O percurso do museu termina na atualidade, com testemunhos de pinhelenses, residentes no concelho, no país ou espalhados pelo mundo.

Os prémios são atribuídos pela APOM — fundada em 1965 -, para incentivar o espírito de preservação e divulgação do património dos museus, segundo a associação, e distinguem ainda, entre outros, a melhor intervenção e restauro, o melhor catálogo, mecenato e projeto museográfico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)