É verdade que este ano as notícias sobre o Belcanto e José Avillez parecem repetir-se mês após mês, mas não o é menos que há motivos de sobra para que tal aconteça. Primeiro, foi o anúncio do Bairro do Avillez, um projeto para o Chiado (where else?) que trará uma série de espaços com a chancela do chef ao edifício contíguo à Academia dos Amadores de Música. Depois, foi a profunda remodelação do restaurante, coordenada pelo próprio Avillez. E finalmente, mas não menos importante, a recente eleição como melhor restaurante do mundo pela edição espanhola da revista Traveler.

Hoje volta a escrever-se sobre o tema e novamente por boas razões: acaba de ser divulgada a segunda metade da lista dos 100 melhores restaurantes do mundo pela reputadíssima The World’s 50 Best (sim, apesar do nome, a lista abrange a centena) e, tal como aconteceu no ano passado, entre os eleitos lê-se o nome Belcanto E com uma significativa subida na tabela classificativa — passou do 91º lugar para o 78º, à frente, por exemplo, do madrileno DiverXo, de David Muñoz ou do clássico The French Laundry, de Thomas Keller.

O outro representante português nessa lista em 2015, o Vila Joya (98º), não faz parte, para já, dos eleitos pela The World’s 50 Best Restaurants. Resta saber se foi promovido à condição de nata da nata, a lista dos 50 primeiros — que será divulgada segunda-feira, dia 13 de junho — ou se desapareceu por completo desta eleição. Aguardemos.