Lisboa

Obras de Vhils destruídas para dar lugar ao novo terminal de cruzeiros de Lisboa

5.370

Construção do novo terminal de cruzeiros de Lisboa levou à destruição de vários edifícios junto ao rio. Um deles tinha três peças consideradas um expoente de arte urbana na capital.

© Underdogs

Autor
  • João Pedro Pincha

Um edifício que tinha três murais concebidos pelos artistas urbanos Vhils e PixelPancho foi demolido recentemente na zona de Santa Apolónia, em Lisboa. É para este local que está previsto o novo terminal de cruzeiros da capital, cujo projeto já previa a demolição de uma série de edificações à beira rio.

casa vhils, obras, lisboa, avenida infante dom henrique, jardim do tabaco,

Era aqui que estava a pequena casa onde Vhils e PixelPancho trabalharam (Fotografia: FÁBIO PINTO/OBSERVADOR)

As três obras foram realizadas por Vhils, artista português, e PixelPancho, italiano, em novembro de 2013, num edifício existente no Jardim do Tabaco, em frente à Alfândega de Lisboa. Nessa altura já era conhecido o projeto do novo terminal de cruzeiros, da autoria de Carrilho da Graça, para aquele sítio. Aliás, o início dos trabalhos chegou a estar previsto para 2014, mas a obra foi-se atrasando e só arrancou no fim de 2015.

O Observador questionou o Porto de Lisboa sobre este tema, mas não obteve respostas até ao momento.

Os três murais foram feitos com recurso a uma técnica mista de escultura e pintura. Vhils foi responsável por esculpir as paredes, dando-lhes a configuração humana que replicou em várias outras paredes de Lisboa e de todo o mundo. Já PixelPancho fez a pintura. Os murais mostravam homens com características robóticas em diferentes situações: a segurar um barco destroçado, a fazer a tradicional saudação dos capitães de mar e a abraçar uma mulher que parece uma boneca.

A colaboração entre Vhils e o artista italiano foi proporcionada pela plataforma de arte urbana Underdogs, que há vários anos dinamiza este tipo de expressões artísticas em Lisboa. A capital portuguesa é, aliás, considerada uma referência mundial de arte urbana. Recentemente houve mesmo um festival dedicado a intervenções deste género no Bairro Padre Cruz, em Carnide.

Em resposta ao Observador, a responsável de comunicação da plataforma Underdogs explica que “a intervenção foi realizada com a consciência de que seria temporária” e que isso não preocupa os artistas. “Cada peça tem o seu tempo de vida. Consideramos que esta dimensão de efemeridade acaba mesmo por enaltecer a arte que produzimos, na medida em que lhe dá um caráter mais orgânico e a aproxima do nosso próprio tempo de vida.”

A plataforma enaltece ainda o trabalho da Câmara Municipal de Lisboa na promoção da arte urbana. Foi, aliás, com a concordância da autarquia que estes murais de Vhils e Pixel Pancho foram feitos naquele local. Esta obra conjunta “acaba por antecipar metaforicamente essa mesma temática da destruição. Achamos que foi um final justo e poético”, disse a responsável pela comunicação da Underdogs.

Na segunda-feira, depois da demolição do edifício, Vhils publicou uma fotografia no Facebook com a legenda “Nothing Lasts Forever” — “nada dura para sempre”. Muitos seguidores do artista naquela rede social lamentaram a destruição dos murais, considerando-os como dos melhores exemplos de arte urbana em Lisboa. Outros frisaram que esta é uma arte efémera, sujeita às mudanças naturais de uma cidade.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)