Rádio Observador

União Europeia

Margarida Marques confirma carta enviada a Bruxelas

Margarida Marques, secretária de Estados dos Assuntos Europeus, confirma que carta foi enviada a Juncker e que sanções dificultam a capacidade do Governo em executar as recomendações da Comissão.

Margarida Marques, secretária de Estado dos Assuntos Europeus, disse que aguarda “serenamente” a decisão da Comissão Europeia sobre Portugal, mas admitiu que a aplicação de sanções pode “criar dificuldades à economia e ao sistema financeiro em Portugal”. Deputados em desacordo sobre defesa do Governo em Bruxelas.

O PSD criticou a atuação do Governo neste processo da possível atribuição de sanções a Portugal com o deputado Duarte Marques a afirmar que todos os partidos estão contra as sanções, mas que os sociais-democratas não veem o Governo “a fazer tudo ao seu alcance para as evitar”. A secretária de Estado respondeu que o Governo tem feito tudo ao seu alcance, assegurando à Comissão o cumprimento do défice para 2016 e com o envio de uma carta de António Costa a Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia. “As sanções dificultam a capacidade do Governo português em executar as recomendações da Comissão e podem criar dificuldades à economia e ao sistema financeiro em Portugal”, afirmou Margarida Marques. O CDS pediu a divulgação pública da carta enviada ao presidente da Comissão Europeia.

Não estava previsto que fosse Margarida Marques, secretária de Estado dos Assuntos Europeus, a vir ao Parlamento. Até à tarde de ontem, a presença de Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros estava agendada para comparecer à Comissão de Assuntos Europeus na Assembleia da República para explicar as conclusões do Conselho Europeu da semana passada, mas a mudança foi apresentada como “equívoco” entre o Governo e os serviços da Assembleia da República. Entretanto, fonte do Governo disse ao Observador que a ida de Santos Silva nunca esteve prevista e que essa informação nunca foi dada à comissão. Pedro Mota Soares, deputado do CDS, disse que isto não deixava de ter “leitura política”.

Com o deputado Vitalino Canas a defender que “não pode haver sanções quando se cumpriram as regras” e que esperava que o PSD apoiasse os esforços do atual Governo para evitar medidas duras de Bruxelas, o deputado social-democrata Miguel Morgado veio dizer que o procedimento por défices excessivos é “um processo dinâmico” e que diz respeito ao “passado, presente e futuro dos países”, indicando que caso venha a sofrer sanções, Portugal não está só a ser avaliado pelo período entre 2013-2015, período a que se refere este procedimento, mas em relação à ação futura do Governo. Maria Luís Albuquerque, antiga ministra das Finanças e deputada social-democrata, manteve-se na sala durante todo o período de debate, mas preferiu não se pronunciar.

Brexit: Reino Unido deve sair “tão depressa quanto possível”

O Brexit foi também debatido, com a secretária de Estado a afirmar que David Cameron, primeiro-ministro demissionário britânico, na cimeira entre os 28 Estados-membros indicou que a vontade dos eleitores do Reino Unido seria cumprida e que a saída se deveria efetuar já com o próximo Governo, mostrando assim que o artigo 50º deverá ser acionado já em setembro. “A saída deve efetuar-se tão depressa quanto possível. Isso não significa pôr fora o Reino Unido, mas sim encurtar o período de indefinição e diminuir o impacto que isso tem nos mercados, nas pessoas e nas comunidades provenientes dos Estados-membros”, assegurou Margarida Marques, indicando que isto também não pretende encurtar o período de negociação que pode ir para além dos dois anos caso haja unanimidade entre os Estados-membros.

Vinda recentemente do Reino Unido, Margarida Marques explicou que o Reino Unido está agora a formar uma task force que está a fazer um inventário inter-sectorial das políticas europeias nas políticas nacionais “no sentido de preparar um menu para que o próximo Governo conheça o tipo de relação que hoje existe entre a União Europeia e o Reino Unido”. “Até agora, o Reino Unido funcionava com opt outs, mas vai funcionar com opt ins“, indicou a secretária de Estado aos deputados.

A governante afirmou ainda que o acesso ao mercado interno exige “o respeito das quatro liberdades” mostrando que caso o Reino Unido deseje permanecer na UE deverá respeitar a livre circulação de mercadorias, pessoas, de serviços e de capitais. Quanto aos temas em discussão na negociação, assumindo ainda que as principais exigências do Reino Unido serão nos campos da economia, segurança e defesa. Margarida Marques indicou ainda que José Luís Carneiro está esta terça-feira no Reino Unido para se encontrar com a comunidade portuguesa no Reino Unido e anunciar o aumento de recursos do consulado-geral de Portugal na capital.

Nota: Notícia atualizada com a posição do Governo sobre a ida de Santos Silva à Assembleia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)