O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ameaçou na segunda-feira pedir a prisão de representantes da Kimberly-Clark, depois de a empresa norte-americana que produz produtos de higiene pessoal ter encerrado a produção no país sul-americano.

Na semana passada, o Governo da Venezuela ordenou a ocupação da fábrica da Kimberly Clark, dois dias depois de a empresa norte-americana ter anunciado a suspensão “indefinida” das suas operações no país por causa da deterioração das “condições económicas e de negócio”.

A Kimberly Clark suspendeu a atividade quando a Venezuela atravessa a maior crise de escassez de produtos básicos, incluindo papel higiénico, fraldas e produtos de higiene feminina.

Maduro acusou a empresa de falhar no financiamento de benefícios sociais prometidos aos trabalhadores. Cerca de 900 trabalhadores foram demitidos pela empresa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Os que devem ir para a cadeia vão para a cadeia, não importa onde estão”, disse Maduro, acrescentando que os alertas para as respetivas prisões serão emitidos através da Interpol.

A fábrica da empresa norte-americana na cidade de Maracay foi entregue aos trabalhadores e Maduro insistiu que todas as linhas de produção estão em funcionamento.

Mas um trabalhador na fábrica, falando sob condição de anonimato, disse à AFP que apenas uma das 11 linhas de produção está ativa.