Rádio Observador

Sociedade

Jovens portugueses tornam-se marinheiros nos maiores veleiros do mundo

327

A The Tall Ships Races, regata dos maiores veleiros do mundo, está de visita a Lisboa até segunda-feira. O português Creoula é um dos participantes na regata.

Rapazes e raparigas, uns mais novos e estreantes, outros mais velhos e repetentes, todos se conheceram a bordo do Creoula

NUNO FOX/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um grupo de 35 jovens, entre os 14 e 23 anos, estão há nove dias a viajar a bordo da caravela portuguesa Creoula, na regata dos maiores veleiros do mundo, numa experiência inédita como verdadeiros marinheiros.

Alinham-se à ordem do comandante, fazem descer a vela com a coordenação que lhes é imposta e puxam os cabos em sintonia, com a força que lhes é permitida.

Rapazes e raparigas, uns mais novos e estreantes, outros mais velhos e repetentes, todos se conheceram a bordo do Creoula, um dos navios que está a participar na regata dos maiores veleiros do mundo, The Tall Ships Races, que está de visita a Lisboa até segunda-feira.

Joana Ribeiro tem 23 anos, é estudante de medicina e desde que se estreou a bordo de um grande veleiro, em 2012, quis sempre repetir a experiência.

“Gosto muito do mar e o ambiente a bordo ajuda a criar um ‘bichinho’ e já não queremos sair daqui”, contou à agência Lusa.

Prestes a entrar para o sexto ano de medicina, Joana vê que a experiência a bordo pode ser também uma mais-valia curricular, através do contacto com o médico e enfermeiro sobre medicina naval.

Sem distinções de idade, Joana não se preocupa por ser a mais velha e ter no seu grupo jovens de 14 anos.

“A parte gira destas navegações é que apesar das diferentes faixas etárias, há um ambiente de amizade e entreajuda que talvez não se verificam em atividades em terra. Queremos pôr o navio a navegar quer se tenha 15 anos ou 50”, sublinhou.

Já Rodrigo Soares, de 16 anos, é a primeira vez que está em alto mar e apesar de estar encantado com as tarefas marinhas, o melhor de tudo está a ser o convívio.

“Vão ser amigos para a vida. Não os conhecia de lado nenhum, mas começámos a juntar-nos e a saber uns dos outros e a formar grandes amizades”, disse.

Naquela que está a ser uma “experiência única”, Rodrigo revelou estar a pensar que a Marinha poderá ser uma possibilidade profissional para o futuro.

Sem telemóveis, nem contactos com as redes sociais, é cara a cara que o grupo se vai conhecendo e comunicando.

“Já não sabia o que era conhecer alguém sem ser através da internet, nem estar uma semana sem ir ao Facebook. É bom estarmos aqui só uns com os outros a conversar”, disse Biatriz.

O convívio é importante, mas o grupo tem também de cumprir as suas tarefas, como ir ao leme, estar de vigia, fazer as limpezas e preparar as refeições.

A pele dourada do sol e o cabelo seco do sal dão conta de que já estão em alto mar há alguns dias e o conhecimento dos termos técnicos mostram também que já não são mais inexperientes.

“Quando eles chegam, das primeiras coisas que eu digo é para chatearam bastante os oficiais, perguntarem tudo o que quiserem que estamos abertos a qualquer pergunta. Eles embarcam numa realidade diferente, num mundo novo e é normal haver dúvidas. Eles quando cá chegam inserem-se nas rotinas e ao fim de algum tempo já são verdadeiros marinheiros”, contou o comandante do Creoula, Carvalho de Oliveira.

O Creoula é um dos navios portugueses que está a participar na The Tall Ships Races, uma regata que junta os 50 maiores veleiros do mundo, nove dos quais são portugueses, e 500 tripulantes, jovens distribuídos por diversas embarcações.

The Tall Ships Races é uma competição de vela que se realiza anualmente para dar oportunidades de formação a jovens de todo o mundo. A primeira regata foi realizada entre Torbay (Reino Unido) e Lisboa em 1956.

A competição, que passa por quatro portos (1.955 milhas náuticas), começou em Antuérpia (Bélgica), de 07 a 10 de julho. Segue-se agora Lisboa, depois Cadiz (Espanha), de 28 a 31 de julho, e Corunha (Espanha), de 11 a 14 de agosto.

Até segunda-feira, em Lisboa, são esperados mais de um milhão de visitantes a bordo para conhecer os navios por dentro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)