Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O quadro “Adolescência”, de Salvador Dalí, foi recuperado, sete anos depois de ter sido roubado de um museu holandês. A pintura foi encontrada por Arthur Brand, um detetive especializado na recuperação de obras de arte. Juntamente com o quadro de Dalí, foi também encontrada outra obra: “La Musicienne”, da pintora polaca Tamara de Lempicka.

Os quadros tinham sido levados do Museu Scheringa do Realismo, em Spanbroek, na Holanda, em pleno dia, a 1 de maio de 2009.

Citado pelo El País, Brand disse que não teve de pagar nada para recuperar o quadro. Apenas perguntou “nos locais adequados, porque há sempre alguém que conhece um tipo e outro, e assim sucessivamente, até que dás com o contacto certo”.

“Contactou-me um indivíduo a fizer que tinha uma informação interessante. Estava em contacto com uma organização criminal que tinha obtido os dois quadros numa troca, prática comum neste meio”, contou Arthur Brand.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“O indivíduo que os recebeu não sabia que eram roubados”, disse Brand a uma televisão holandesa. Por isso, a operação de resgate do quadro custou ao detetive “um par de refeições, porque o grupo de ladrões não se queria meter num aperto”. Por eles, garantiu Brand, “os quadros acabariam destruídos ou vendidos no mercado negro”.

As negociações duraram oito meses, e, para ganhar a confiança dos detentores das obras, Brand encontrou-se com eles “pelo menos uma dúzia de vezes”.

Desde maio de 2009, altura em que o Museu Scheringa do Realismo foi assaltado, a polícia ainda não tinha conseguido encontrar nenhuma pista que levasse ao paradeiro dos quadros.

Os assaltantes entraram no museu ao meio-dia de 1 de maio de 2009, com armas e dirigiram-se diretamente para aqueles dois quadros, pelo que as autoridades consideraram na altura que se tratou de um assalto encomendado. Um porta-voz do dono do museu disse, na altura, que os assaltantes “sabiam o que procuravam, sem dúvida”.

Os quadros foram agora devolvidos ao dono legítimo do quadro, cuja identidade não é conhecida, e que tinha emprestado os quadros ao museu.