O momento tinha a sua carga de simbolismo. Jerónimo de Sousa dirigia-se aos militantes comunistas na abertura da 40ª edição da Festa do Avante! num momento em que, pela primeira vez na história, o PCP suporta uma solução de poder liderada pelo PS. E foram precisamente os últimos dez meses que dominaram grande parte da intervenção do secretário-geral comunista: mesmo reconhecendo que com um Governo do PS “as questões de fundo e os problemas estruturais dificilmente” encontrarão as respostas “necessárias”, este é o tempo de ter “esperança”. “Sim, é possível!”, prometeu Jerónimo.

https://twitter.com/Miguel_SantosC/status/771797249005326336

Depois de umas eleições que representaram “uma derrota pesada” de PSD e CDS, e uma “derrota também dessa mistificação das eleições para primeiro-ministro”, era preciso avançar com uma solução política que impedisse o Governo de Pedro Passos Coelho de prosseguir a “sua política de terra queimada” e que desse resposta à necessidade de repor rendimentos e direitos sociais, garantindo também a solidez do Estado Social e dos serviços públicos. Medidas com “limitações e insuficientes”, reconheceu Jerónimo de Sousa, mas que abriram “uma janela de esperança e a real possibilidade de nos libertarmos como país”.

Agora, o caminho tem de ser em frente, avisou o secretário-geral comunista. Enquanto PSD e CDS continuam “zangados, esperançados que os centros de decisão da União Europeia castiguem os portugueses”, o Governo não pode “voltar atrás”. É urgente “prosseguir a reposição de salários, rendimentos e direitos”, “libertar o país das grilhetas que nos amarram”, potenciar “os nossos recursos”, combater o “desemprego e a precariedade”, defender “o direito à saúde, o acesso ao ensino” e proteger “socialmente a infância e a velhice”. Estava deixado o caderno de encargos de Jerónimo de Sousa. Pelo menos, o rascunho.

https://twitter.com/Miguel_SantosC/status/771798072036687872

A terminar, o líder comunista deixou ainda uma garantia e um meio aviso a António Costa: o PCP está de pedra e cal na “geringonça”, mas não deixará de esticar a corda. “O PCP, mantendo os compromissos e a palavra dada, não regateará nenhum esforço na sua ação e intervenção, na sua proposta para que se concretize uma nova política”.

“Está aberta a quadragésima Festa do Avante!”, festejou Jerónimo de Sousa. No domingo, a fechar o evento, há nova intervenção do líder do PCP.