Desde que, em 2013, Edward Snowden disse que NSA (Agência Nacional de Segurança dos EUA) consegue aceder às câmaras e aos microfones dos computadores pessoais, vários têm sido os rumores sobre a espionagem feita pelas autoridades norte-americanas aos cidadãos comuns. Em abril deste ano, o próprio diretor do FBI, James Comey, confessou que tapava a câmara do seu portátil com fita-cola.

“Tenho obviamente um computador portátil. Ponho um pedaço de fita por cima da câmara, porque vi alguém mais inteligente do que eu” a fazê-lo, esclareceu na altura o líder do FBI.

Depois de ter sido criticado um pouco por toda a internet, James Comey veio agora sublinhar novamente a importância do gesto. Durante uma conferência em Washington, DC, na semana passada, o líder do FBI reconheceu que foi “muito gozado por isso”, mas garantiu que continua a utilizar a fita. “Em qualquer escritório do governo todos temos pequenas câmaras no topo do ecrã. Todas têm pequenas fitas a tapá-las”, explicou Comey.

O diretor do FBI deixou novamente o conselho a todos para que façam o mesmo. “Faça isso para que as pessoas que não têm autoridade não possam olhar para si. Penso que é uma coisa boa”, sublinhou. “Há coisas que podem ser feitas, e esta é uma delas”, garante Comey, que foi sobretudo criticado por manter esta postura ao mesmo tempo que lutava contra a Apple para desbloquear um iPhone utilizado por um dos terroristas de San Bernardino.

O diretor do FBI não é o primeiro a motivar o debate sobre a necessidade de tapar a câmara do computador. Em junho deste ano, o líder do Facebook, Mark Zuckerberg, foi fotografado junto do seu portátil. A imagem mostra tanto a câmara como o microfone do computador tapados por fita-cola.