532kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

São Pedro do Sul. Buscas suspensas e contingente operacional desativado

Este artigo tem mais de 5 anos

O crime começou em Aguiar da Beira mas a perseguição vai no distrito de Viseu. Foram encontrados objectos do suspeito perto do distrito de Aveiro. Buscas foram suspensas.

i

PAULO NOVAIS/LUSA

PAULO NOVAIS/LUSA

As buscas por Pedro João Dias, o alegado atirador que matou duas pessoas e deixou outras duas em estado grave, foram suspensas na zona de São Pedro do Sul. A informação foi adiantada pela GNR, numa nota enviada às redações ao final da tarde de quarta-feira, depois de um dia sem resultados. Grande parte do dispositivo no local também foi desmobilizado, mantendo-se apenas as patrulhas de procedimento de proximidade, para garantir a segurança às populações.

Ao início da tarde, as autoridades descobriram esta madrugada objetos do fugitivo. O padre Eurico Teixeira de Sousa, pároco da aldeia de Candal, contou ao Observador que “foram encontrados indícios, objetos que o suspeito tinha com ele, para lá do rio, ou seja, mesmo na aldeia do Candal”. Isto pode significar que o suspeito já passou pelas aldeias de Póvoa de Leiras e Coelheira, estando cada vez mais perto do distrito de Aveiro. O posto de comando das operações passou para a aldeia de Tebilhão, já no distrito de Aveiro.

Mostrar Esconder

Veja aqui o que já sabemos e o que falta saber sobre os acontecimentos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acordo com a TVI24, o suspeito pode estar ferido. Os cerca de 200 militares do Comando Territorial de Viseu da GNR que estiveram envolvidos nas buscas não conseguiram encontrar o principal suspeito dos crimes que ocorreram na madrugada desta terça-feira, e dos quais resultaram dois mortos, um ferido ligeiro, que entretanto já recebeu alta, e dois feridos graves. Desses dois feridos graves, e de acordo com informação avançada pelo Hospital de Viseu à comunicação social, a mulher de 29 anos está em estado muito reservado.

Durante a noite, as populações das aldeias foram aconselhadas a manterem-se em casa, com as janelas e as portas fechadas. Ao Observador, o padre Eurico Teixeira de Sousa explica que “foi uma noite, apesar de tudo, serena”. Os habitantes estavam “serenos, apreensivos, cumpriram as indicações da Junta e da GNR de se recolherem em casa e de não pararem as viaturas”. O silêncio da noite terá sido interrompido apenas por um falso alarme. “Parece que uma senhora ouviu um barulho na sua loja, alertou logo a filha, que chamou a GNR. Foi lá tanto a GNR como a Junta de Freguesia, e concluíram que era um falso alarme”.

Fugitivo avistado às 15h de terça

O major Pedro Gonçalves, da GNR de Viseu, indica que a ação das autoridades está sobretudo focada na segurança das populações. Entretanto, a GNR já informou os habitantes das populações da zona que podem retomar as suas vidas normais, após terem sido aconselhados a manter-se em casa com as portas e janelas fechadas, e a não parar os carros no meio da rua.

O principal suspeito, que continua a monte, foi identificado através da carta de condução encontrada no bolso do militar morto. É Pedro Dias, de 44 anos, um piloto de aviões natural de Arouca que vivia em Fornos de Algodres, e que esteve emigrado na África do Sul. De acordo com o major Pedro Gonçalves, “o suspeito foi avistado ontem por volta das 15h00”, sendo que depois disso já não houve “qualquer avistamento”. Ainda assim, as autoridades acreditam “que o suspeito ainda se mantenha nesta área” — nas aldeias de São Pedro do Sul.

O Grupo de Intervenção e Operações Especiais da GNR considerou-o um “homem perigoso”: está fortemente armado (com pelo menos uma caçadeira de canos serrados) e já é conhecido das autoridades por envolvimentos em “atividades ilícitas”, designadamente por outros roubos na zona de Aguiar da Beira.

Quem tiver informação útil para a detenção do suspeito pode contactar as autoridades através do número 232 467 940. As autoridades também pediram que se evitasse a N326, que liga S. Pedro do Sul e Arouca.

Segundo apurou o Observador, têm sido feitas várias chamadas para a GNR por parte das pessoas que mostram preocupação com a situação e vão colocando várias perguntas sobre o que está a acontecer. No entanto, como reconheceu o major Pedro Gonçalves, já ao final da tarde, a divulgação de uma suposta fotografia do atirador, provocou uma onda de “vários avistamentos desde a norte a sul do país, o que dificulta em muito a investigação“.

A vermelho, Aguiar da Beira, onde aconteceu o primeiro tiroteio. A verde, Candal, onde se concentram os maiores esforços das autoridades neste momento.

Suspeito pode sobreviver “alguns dias” na zona de Candal

A GNR está convicta de que o suspeito consiga sobreviver durante “alguns dias” na zona de Candal, em S. Pedro do Sul, onde estão concentradas as buscas, disse esta quarta-feira o major Pedro Gonçalves. “Pelas informações recolhidas, estamos a falar de uma pessoa que, além de conhecer bem o terreno, uma vez que ele é [de] muito próximo daqui, tem familiares e tem residência em Arouca”, afirmou aos jornalistas a meio da manhã, no posto de comando da GNR instalado na localidade de Póvoa as Leiras. Além disso, o suspeito teve treino militar quando esteve na África do Sul, estando preparado para sobreviver em situações de emergência.

Além da vantagem de conhecer o terreno, a GNR tem informações de que se trata de “um indivíduo que é capaz de sobreviver durante alguns dias, uma vez que tem propriedades, tem pessoas que o poderão abrigar nesta área”, acrescentou. “Poderá manter-se por aqui durante alguns dias”, sublinhou Pedro Gonçalves, aludindo à zona do concelho de S. Pedro do Sul, no distrito de Viseu, que faz fronteira com o concelho de Arouca, no distrito de Aveiro.

“Não se ouve nada na aldeia”

José Dias estava a tomar o seu café no fim de almoço, em Manhouce, quando a polícia parou à porta. “Disse-nos para não andarmos na rua e para trancarmos os carros”, conta por telefone ao Observador. A esta hora já José Dias sabia o que estava a acontecer. Um homem em fuga, depois de deixar um rasto de sangue pelo caminho. Depois veio a polícia e José foi para casa.

“O homem conhece aqui a região, se calhar até já o vi…”, desabafa. Na aldeia, não se vê ninguém nem se ouve nada. “Não há pessoas na rua e a aldeia está toda muito silenciosa.”

Isabel Silvestre estava em casa quando começou a receber telefonemas de amigos e familiares. “Hoje precisava era de uma telefonista!”, graceja. Mas está com algum receio. “Vou fechar tudo e ver o que dizem na televisão, mas isto é uma coisa de terror, o homem está a monte, anda aí pela serra…”.

Como tudo começou

O crime começou na madrugada de terça-feira, altura em que os dois militares se encontravam a patrulhar um hotel em construção. De acordo com o Jornal de Notícias, ao verem uma carrinha suspeita aproximar-se, mandaram-na parar. O Correio da Manhã avança que os homens seriam suspeitos de roubo de cobre. O condutor terá então saído da viatura e disparado sobre o guarda Carlos Caetano, enquanto este ligava para a central, para identificar os suspeitos, acabando por morrer no momento. Os assaltantes terão de seguida forçado o colega do militar a colocar o cadáver na bagageira do carro-patrulha, e a levar a viatura para um parque industrial próximo, onde amarraram o polícia a uma árvore.

O assaltante que matou Carlos Caetano pegou depois no veículo da GNR e regressou ao local do crime onde abandonou o carro. De seguida fugiu em direção à estrada nacional 229, e parou um carro, onde seguia um casal. Baleou o homem e a mulher, roubou o carro e fugiu. A mulher, Liliane, ficou ferida e em estado crítico — às 22h30 de terça-feira encontrava-se ainda no bloco operatório do Hospital de São Teotónio, em Viseu — e o homem, Luís Pinto, de 25 anos, acabou por não resistir.

O militar que ficou amarrado à árvore conseguiu libertar-se pelas 7h25 de terça, e conseguiu chamar reforços, que seguiram em perseguição do suspeito. O suspeito abandonou este carro na aldeia de Candal, tendo ainda estado envolvido numa troca de tiros com os militares que o perseguiam. Desta troca de tiros resultou um guarda ferido. Pedro Dias acabou por conseguir fugir, encontrando-se agora desaparecido. É nesta zona, de Candal, que se concentram os maiores esforços das autoridades.

A identidade de um dos militares mortos também já foi revelada: Carlos Filipe Caetano tinha 29 anos e “acabou por não resistir à gravidade dos ferimentos”. Foi ele o militar encontrado na bagageira da viatura de patrulha em que os assaltantes fugiram, mas que largaram ao fim de cinco quilómetros num descampado. O militar ferido tem 41 anos e está “a lutar pela vida” no Hospital de Viseu.

As outras duas vítimas foram encontradas atrás de um arvoredo “em paragem cardiorrespiratória”. Tanto o casal como os militares foram primeiramente assistidos no local por uma ambulância de Suporte Imediato de Vida de Aguiar da Beira e por uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação de Viseu.

No total, duas pessoas morreram, um militar já teve alta e outro continua em observação no Hospital de São Teotónio, em Viseu. A mulher encontra-se nos cuidados intensivos neste mesmo hospital. A GNR garante que está a dirigir “todos os esforços para detetar os suspeitos, tendo até mesmo avisado a polícia espanhola sobre o sucedido: há a possibilidade de os assaltantes terem entrado no país vizinho.

Montámos uma operação no terreno com todos os meios disponíveis da GNR, mais outras forças e serviços de segurança. [A operação] divide-se em controlo de determinados locais, como fronteiras, e fundamentalmente uma componente móvel, onde os meios estão a ser colocados em determinados pontos do território nacional para que rapidamente se localizem e capturem os suspeitos”, informou.

José Alho, presidente da Associação Socio-Profissional Independente da Guarda, contou ao Observador que a localização exata dos fugitivos é desconhecida. Esse facto e a fraca luminosidade podem ser as vantagens dos assaltantes: “Eles estão escondidos e podem conhecer melhor o terreno que os guardas destacados para o local. De qualquer modo, acredito que a polícia esteja a trabalhar com cães e isso dificulta uma eventual fuga para Espanha”. José Alho acredita que amanhã a situação já esteja normalizada: “Eles não têm escape possível. E também sabem que não vão apanhar mais do que 25 anos de prisão, a pena máxima em Portugal. Por isso amanhã já tudo deve estar mais calmo”.

*Artigo atualizado às 19h20 com a informação sobre a suspensão das buscas

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.